Premium

stress pós-traumático

Guerra Colonial. Os traumas herdados pelos filhos dos ex-combatentes

Passados quase 45 anos sobre o final do conflito com as colónias africanas (1961-1974) ainda há feridas que sangram. A guerra deixou marcas nos ex-combatentes que as passaram para os filhos, vítimas de stress pós-traumático secundário. Histórias de quem não combateu mas herdou outras guerras para travar.

"As piores palavras que ouvi na minha vida foram ditas pela boca do meu pai. Chamou-me de tudo, as coisas mais asquerosas que se possa imaginar." Entre os muitos insultos que o pai lhe dirigiu e as tareias que lhe deu, há uma coisa que Diana não esquece: "Um dia disse-me 'podes sair daqui e dizer que te fiz tudo, só não foste violada'. Disse-me isto na cara."

Diana não esquece, mas perdoa. Perdoou o pai na morte - porque, apesar de ter tanto medo dele que chegava a desmaiar só pela sua presença, e de ter desenvolvido uma infeção no estômago e nos intestinos porque as horas das refeições eram as piores, gostava muito dele. Era o seu pai. O melhor pai do mundo até aos 11 anos, diz. O homem carinhoso que tratava dela e a levava à escola quando a mãe estava a trabalhar. E perdoou-o porque teve coragem de lhe dizer tudo, de bom e de mau. Que ele a maltratava, que era mau, mas também que, ainda assim, o amava.

"Nunca deixei de gostar dele, era o meu pai. E havia certas particularidades que recordo com uma boa sensação. Tentei sempre mudá-lo, tentei falar com ele quando estava sóbrio ou quando não estava, a bem ou a mal, pedi-lhe que mudasse e aproveitasse a vida de outra maneira."

Ler mais

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.