Ao sétimo dia as chamas e o fumo ensombram o Algarve

Incêndio que começou em Monchique prossegue ativo e autoridades assumem que não será fácil extinguir o fogo com a rapidez desejada.

A data e a hora de início está fixada na página da Autoridade Nacional de Proteção Civil: foi às 13.32 do dia 3 de agosto, sexta-feira, que o incêndio na serra de Monchique começou. Hoje, no sétimo dia de chamas, o fogo já não é só de Monchique. Os concelhos de Portimão e Silves foram atingidos, com este último a viver uma madrugada de ansiedade devido à proximidade das chamas, situação que obrigou ao final da tarde de ontem a evacuação dos habitantes de Enxerim e de Cumeada. E, tendo em conta as palavras de responsáveis, como o primeiro-ministro António Costa, é de esperar que a extinção das chamas ainda demora alguns dias.

O que impede de travar o fogo e sobretudo de impedir que se aproxime de localidades? No caso deste que é o maior incêndio florestal de 2018 em Portugal, o próprio terreno e as condições meteorológicas são decisivas. Sem colocar na mesa de discussão o ordenamento do território e a gestão florestal - as razões consensuais para muita destruição provocada por incêndios -, a 2.ª comandante operacional nacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), Patrícia Gaspar, apontou que os principais problemas do combate "foram a orografia", que dificultou o trabalho dos meios terrestres, e "o próprio comportamento do incêndio, que originou muito fumo", obstáculo para uma ação eficaz dos 15 meios aéreos.

As previsões da responsável que assumiu o comando de operações, após cinco dias em que o mesmo esteve entregue ao comandante distrital de Faro, são cautelosas. "Não nos espera um período fácil. A meteorologia, mais uma vez, sobretudo no que diz respeito ao vento, mantém-se bastante desfavorável", afirmou Patrícia Gaspar. No terreno estiveram mais de 1300 operacionais, apoiados por quase 400 viaturas e 15 meios aéreos.

Talvez por se ter informado com os responsáveis da ANPC, António Costa avisou que "não vai ser possível apagar o fogo nos próximos dias". Não era a frase mais esperada, mas evidencia que entre quem comanda as operações há a consciência de que a extinção não será fácil. O primeiro-ministro também disse que Monchique "é a exceção que confirma o sucesso" do plano governamental. Ainda vamos a meio da época de fogos.

Angústia nas evacuações

Para a população algarvia, os dias têm sido de angústia. Sabe-se que arderam várias habitações mas ainda não há um balanço feito. Os diretamente afetados pelos incêndios vivem momentos de desespero, entre a imposição para alguns abandonarem as suas casas e os bens e a impotência de outros que vê as chamas aproximarem-se. Ontem em Silves houve necessidade de evacuação de Enxerim. Na zona de Foia, Monchique, os reacendimentos também geraram nova mobilização de meios.

A Proteção Civil aconselhou as pessoas da zona entre Silves e São Bartolomeu de Messines a fecharem portas e janelas, e a procurarem lugares seguros. A GNR já tinha pedido a colaboração e o respeito das populações às indicações dos guardas. As evacuações, por vezes impostas, são efetuadas por necessidade, frisou também o primeiro-ministro. "As autoridades quando apelam à evacuação não estão a violar a Constituição, nem a lei, estão a assegurar o bem mais precioso que existe, que é a vida", disse António Costa. A troca de informação entre autoridades e civis é essencial. Há exemplos de cooperação, espontânea e eficaz, entre população e operacionais na defesa de bens.

Fumo que cobre o Algarve

Nas praias e cidades do Algarve, a região portuguesa que concentra maior número de turistas, foi a surpresa. A gigantesca nuvem de fumo que se espalhou por praticamente todo o Algarve - de Lagos a Tavira - provocou a estupefação de muitos que colocaram imagens de diversos pontos do Algarve da nuvem de fumo que ensombrou a tarde solarenga. A Direção-Geral de Saúde que a inalação de fumos ou de substâncias químicas e o calor podem provocar danos nas vias respiratórias e emitiu recomendações sobre como agir nestas situações.

Pelo meio ainda se discute se os meios aéreos estão a utilizar agentes extintores (espumíferos), com a confirmação que os helicópteros não o fazem, por questões operacionais e que os aviões também nem sempre o fazem. "O que se está a verificar é que parte destes meios não estão a operar diretamente nas bases de origem, para que fiquem mais perto do incêndio, e quando esse produto se esgota, nem sempre é possível reabastecer os aviões com o agente extintor para as missões seguintes", disse Patrícia Gaspar.

O balanço atual é de 32 feridos, um deles em estado grave, e de mais de 21 mil hectares de área ardida. Os prejuízos serão muito elevados, sem que haja uma estimativa. É impossível fazê-lo já com as chamas ainda a galgarem terreno e a espalharem fumo por toda a região. Hoje é mais um dia de combate e, espera-se, que seja eficaz.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.