Premium CDS. A pior crise de sempre. Tea Party à espreita

CDS mergulhou numa crise em que se misturam nomes para a presidência do partido e propostas de renovação ideológica. Há pressa entre os opositores de Cristas e há quem queira debater ideias antes dos nomes. E os ultraconservadores mexem-se.

No dia seguinte ao funeral do seu fundador Freitas do Amaral, com o pior resultado de sempre da sua história em eleições legislativas e uma agora líder demissionária, o CDS mergulhou numa crise onde se misturam nomes para a presidência do partido e propostas de renovação ideológica.

O resultado de domingo só é comparável quando das duas maiorias absolutas de Cavaco Silva. Em 1987, com quatro deputados eleitos (e a expressão "partido do táxi" que se colou ao partido), o CDS chegou aos 251 987 votos (4,44%). E, em 1991, o CDS teve então o mesmo número de deputados (cinco), com 254 317 votos (4,43%), contra os 216 448 votos deste domingo (4,25%).

Ler mais

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG