Ultrapassar o tédio

A identidade europeia tem história longa, designadamente até à certeza de que Camões tinha de ser Portugal "cabeça da Europa toda". A dificuldade, também secular, foi a de organizar uma forma de governança dessa identidade, sempre afetada por conflitos que tiveram o seu ponto mais severo na Segunda Guerra Mundial.

Talvez tenha sido Jacques Delors quem tenha formulado, com melhor sentido da circunstância, a definição da governança necessária, ao falar de uma "federação de Estados-nação". Isto para uma época na qual a caracterização da realidade multiplicou as qualificações da "nossa época", longa na averiguação de Berzun, que a terminou usando a expressão "época das expectativas absurdas".

Depois da catástrofe mundial da guerra, foi necessário o cerca de meio século de guerra fria para fortalecer o propósito de viabilizar a utopia animadora da ONU para implantar a efetiva observância da visão da "terra casa comum dos homens", um trajeto que de novo dá mostras de embaraços, incluindo as insuficiências financeiras da ONU, o panorama de conflitos armados, dos massacres políticos internos em vários países, da degradação ambiental, do renascimento dos mitos raciais. O uso da palavra "federação", na expressão de Delors não se referia à repetição de modelos em vigor, por exemplo o dos EUA, mas apelava à criatividade para um futuro que salvaguardasse em paz a identidade cultural europeia, e uma função construtiva na globalização desafiante.

Foram notáveis os líderes políticos que iniciaram o processo, mas o atual Brexit do Reino Unido faz recordar com intensidade que o passado exige atenção, e que neste caso o projeto político pode reencontrar as objeções que impuseram procurar a coincidência entre identidade e dimensão e forma da governança. A ativa visão de De Gaulle em relação ao Reino Unido, fiel à Cruz de Lorena que Churchill considerou um dos pesos que suportou durante a guerra, não pode deixar de ser lembrada vista a longa e dolorosa negociação para o Brexit, e agora com visão insegura quanto à unidade futura do próprio Reino Unido, e quanto à definição futura das normas de convívio.

A firmeza da União perante a confusão política do Reino Unido parece oferecer segurança europeia quanto à necessária metodologia da cooperação, numa circunstância em que nenhum Estado pode responder unilateralmente aos desafios atuais, incluindo os ambientais. Este multilateralismo está no tratado por que se rege, em que o artigo 21 define como objetivo "procurar um sistema internacional fundado sobre uma cooperação multilateral reforçada e uma boa governança mundial".

E quanto à paz e segurança, Federica Mogherini, alta-representante da União para os Negócios Estrangeiros e Política de Segurança, declarou recentemente: "Encorajamos uma governança mundial renovada, que esteja à altura de responder aos desafios do século XXI". Não se trata da ambição antiga de "ser a luz do mundo", mas de ter uma intervenção prestante e honrosa na referida governança. É evidente que esta, como foi já caracterizada, continua "heterogénica, multipolar e complexa", dominada pelo enfrentamento entre os EUA e a China, com a solidariedade atlântica enfraquecida, sobretudo pela impossível racionalização da atual presidência do primeiro. E por isso aparece como um risco para os propósitos da União, que se vê obrigada a praticar que a porta de saída é mais difícil de transpor do que a porta de entrada, verificando que os factos parecem acompanhar mais a memória gaullista do que as exigências da circunstância tão exigente de solidariedades, que coloquem a cooperação acima do unilateralismo.

Entretanto a evidente crise de identidade dos partidos fundadores da União, a multiplicação das formações embrionárias sem expressão, e sobretudo a dimensão das abstenções do eleitorado europeu, alertam para o desastre da relação entre a cidadania ativa europeia e a estrutura governativa, que parece afetada pelo tédio. Uma doença que exige uma rápida intervenção de vozes que sejam tão mobilizadoras como foram as dos fundadores. Sobretudo porque o tédio tem o efeito de contribuir para o crescente abandono pelo multilateralismo, quando os factos tornam evidente que não é fácil encontrar um Estado que possa responder isolado às agressões do ambiente.

É difícil que a ONU possa definir o que resta do multilateralismo, mas entretanto não é o tédio que consegue efeitos pacificadores, é a exigência da capacidade de repor o multilateralismo que evitará o próprio risco da violação da paz. A União Europeia, finda a prática da rutura amigável do Brexit, não evitará ter presente que as críticas admitem que "os ventos mais favoráveis são para os Donald Trump, Matteo Salvini ou Boris Johnson".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG