Há uma vila espanhola que ama a terra que Portugal esqueceu
Premium

Dia de Portugal

Há uma vila espanhola que ama a terra que Portugal esqueceu

Quando se olha para o território nacional, Portalegre é o ícone do abandono. O Dia de Portugal celebra-se neste ano aqui, na capital do mais despovoado distrito do país. Para os 2119 espanhóis de La Codosera, no entanto, as terras que os portugueses esqueceram são bem capazes de ser o centro do mundo

"Zé Gonçalves", e o homem estende a mão para se apresentar aos forasteiros. No fim da jorna de trabalho veio desaguar a este café, é empreiteiro e anda a recuperar uma casa no Alegrete, aldeia de Portalegre. "Estamos quase no fim dos trabalhos, agora só falta caiar as paredes de branco e recuperar uma fachada de xisto." Tem toda uma teoria para a reabilitação urbana: "Há aí uns patos-bravos que não respeitam a arquitetura alentejana, são uns criminosos. Então não é muito melhor preservar as tradições da nossa terra?", pergunta com um ligeiríssimo sotaque. É o acento das vogais que o denuncia - Zé Gonçalves é na verdade José González, espanhol de La Codosera, mas isso não significa que o outro lado da raia não seja também território seu.

Naquele município encostado à fronteira vivem 2119 almas, oficialmente habitantes da região espanhola da Extremadura, na verdade profundamente raianos. Como a maioria dos seus conterrâneos, José aprendeu primeiro a falar português - ou uma versão de português, que o seu crioulo parte da língua de Camões, tem até o som do s no lugar do z e do x, mas depois acrescenta-lhe uma certa entoação castelhana. "Espanhol só comecei a falar quando entrei na escola, tinha já 6 anos. É língua em que raramente penso. Ou sonho."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.