O quase ministro

Se a política é a arte do possível, em dois anos e meio de governo podemos concluir que o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior pode muito pouco. O exemplo paradigmático disso foi o manifesto que o próprio assinou com críticas à política científica do seu governo. Fosse este um episódio isolado e seria apenas ridículo, como não é, considero-o sintomático e preocupante.

Depois de em junho de 2016 ter recusado que os politécnicos oferecessem doutoramentos com o argumento de que o caminho para o ensino superior passaria por uma maior diferenciação entre as missões dos ensinos universitário e politécnico, veio agora por decreto abrir a porta na lei de graus e diplomas a que tal venha a acontecer. Nada contra, antes pelo contrário. Mas esta é uma quase abertura. Porque na realidade nada acontecerá se não houver a revisão do Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior e da Lei de Bases do Sistema Educativo, e tanto o governo como o Partido Socialista não tencionam fazê-la. Portanto, os politécnicos quase tiveram a possibilidade de ter doutoramentos.

"Falta coragem ao ministro Manuel Heitor para assumir que em alguns dos casos são questões orçamentais que se sobrepõem a tudo o resto e que noutros casos não há mesmo vontade política para tomar decisões"

Isto sucede dois meses depois de uma outra quase decisão deste ministro. Sendo o alojamento no ensino superior um dos mais graves problemas a que é fundamental dar resposta, uma vez que continuamos a ter casos de abandono escolar em resultado dos elevados custos com o alojamento, o governo, em maio de 2018, optou por apresentar um programa de alojamento estudantil acessível com um fundo de investimento imobiliário. Fundo que vem suceder a uma linha de financiamento consagrada no Orçamento para 2018 e que foi um autêntico fiasco. Mais uma vez, e numa matéria muito sensível como as residências estudantis, que continuam a ser vergonhosamente insuficientes para a procura dos estudantes, o ministro quase resolveu a falta de residências estudantis.

E se a falta de residências é preocupante, também o é a falta de alunos em instituições de ensino superior no interior. Foi por isso inaceitável a opção deste ministro em desvirtuar o programa + Superior que pretendia apoiar financeiramente os alunos que optassem por estudar numa instituição de um concelho de baixa densidade populacional. Mas veio agora o mesmo ministro que tomou esta opção cortar em 5% as vagas em Lisboa e no Porto com o argumento de que estes alunos irão automaticamente inscrever-se numa instituição do interior. Parece-me que esta opção será bem vantajosa para instituições de ensino superior privado em Lisboa e no Porto que serão procuradas por estes alunos que não tiveram colocação. Ou seja, o ministro quase ajudava as instituições do interior do país a terem mais alunos.

E falando de alunos é incontornável o combate que tem de ser feito ao abandono escolar. Por ser um flagelo social, foi criado o programa Retomar com o objetivo de recuperar muitos destes estudantes que abandonaram os estudos. O ministro criticou o programa defendendo medidas mais eficazes. Dois anos e meio depois, nada aconteceu. Também aqui quase que o ministro resolvia o problema do abandono escolar.

De tudo isto fica claro que falta sobretudo coragem ao ministro Manuel Heitor para assumir que em alguns dos casos são questões orçamentais que se sobrepõem a tudo o resto e que noutros casos não há mesmo vontade política para tomar decisões.

Presidente da JSD

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.