Premium PS e PSD de acordo para haver mais mulheres nos órgãos de poder

PS e PSD conseguiram acertar agulhas para reforçar a paridade entre homens e mulheres nos órgãos de poder político. Texto conjunto já foi aprovado em comissão, com os votos favoráveis do BE, e avança para plenário com aprovação garantida.

Nas listas para as eleições legislativas de outubro os partidos terão de se preocupar em encontrar um maior equilíbrio na representação entre homens e mulheres, que passam a ter de figurar em 40% dos lugares, quando antes era de 33,3%. A nova lei, que deverá subir a plenário para votação final global, aplica-se às eleições para a Assembleia da República, Parlamento Europeu e autarquias locais, incluindo juntas de freguesia. Mas, como as europeias de 2019 são já em maio, escapam às imposições deste novo diploma.

A nova meta do "mínimo de 40%" foi conseguida graças ao acordo entre PS e PSD - com os votos favoráveis do BE e contra do CDS e PCP - que concertaram um texto conjunto de alterações à proposta de lei do governo, que já tinha sido aprovada na generalidade em plenário em abril do ano passado. As normas mais polémicas acabaram por cair, entre as quais a da obrigatoriedade da alternância entre homem e mulher nos dois primeiros lugares das listas, como disse ao DN a deputada socialista Elza Pais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.