A festa dos mil VIP

A primeira festa mais internacional do século XX português trouxe aos arredores de Lisboa Audrey Hepburn, Gina Lollobrigida, Douglas Fairbanks, entre centenas de artistas, membros de realezas e milionários.

A notícia com menor espaço na primeira página do DN não passava de uma trivialidade: a vitória do Benfica sobre o Sporting por 3-0. Depois, havia uma fotografia do papa Paulo VI e uma imagem terrível do grande sismo na Pérsia. Mas era para o centro da capa que os olhares dos leitores se dirigiam, ávidos para saberem as novidades sobre a primeira entre as duas maiores festas do século XX em Portugal: a oferecida por Maria da Conceição e Pierre Schlumberger em Colares.

A reportagem ocupa uma página inteira e tem por duas vezes a palavra "celebridades" nos títulos. Não era uma repetição desnecessária, é que na propriedade do casal anfitrião reuniam-se várias centenas de famosos como os portugueses nunca tinham observado até então no seu país. O texto descrevia o desfile dessas celebridades desde que chegavam ao aeroporto de Lisboa, à entrada na quinta em Colares, e não esquecia que na baía de Cascais estavam atracados seis iates vistosamente iluminados.

A crónica do jornalista Pereira da Costa descrevia a par e passo esse desfile ilustrado pelas fotografias de Raul Nascimento e dava conta do que se vestia, da beleza das convidadas e do porte dos homens: 19.54 chega o primeiro convidado para o jantar, um príncipe, seguido de vários embaixadores e figuras reais, chefes de Estado e marqueses. Mas é a atriz Audrey Hepburn que provoca o primeiro grande furor logo a seguir, com um sorriso permanente e um vestido branco deslumbrante. A reportagem já dera conta que a anfitriã avisara que não entraria na propriedade quem não estivesse vestido a rigor!

O jantar íntimo para o primeiro lote de visitas estava marcado para as 20.00 mas "só começou uma hora depois devido à chegada extemporânea de muitos convidados". Era o caso da atriz Gina Lollobrigida.

Às 20.39 ainda continuavam a chegar personalidades, como é o caso de Henry Ford II. Uma procissão de convidados que passada a meia-noite ainda não parara, momento em que chega a ansiada presença de Ira de Furstenberg. Quem também se apresenta por essa hora é Antenor Patiño, o multimilionário e o anfitrião da próxima grande festa que dois dias depois iria exigir uma nova cobertura noticiosa, que mostraria aos portugueses que o país já estava a mudar após a queda recente de Salazar da cadeira.

A reportagem vai dando conta de tudo o que vai acontecendo em Colares: a simpatia dos anfitriões, o cantor Gunter Sachs está sem companhia, a orquestra estava empenhada na animação, duzentos criados serviam os convidados de champanhe francês e whisky... E termina assim o relato: "A festa continua. É já quase manhã."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.