Premium Todas as ligações familiares no governo socialista

As relações familiares dentro do governo ou em organismos de nomeação governamental estão a ter um custo pesado para António Costa. O secretário de Estado do Ambiente e o primo, que era adjunto, já se demitiram. Mas o ministro do Ambiente também tinha autorizado a nomeação da então mulher para assessora da Secretaria de Estado do Ordenamento do Território.

O caso mais recente de relações familiares no governo e que já deu em demissão é o da Armindo Alves, primo do secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins, que o tinha nomeado para adjunto do seu gabinete em setembro de 2016. E do próprio secretário de Estado que se demitiu nesta quinta-feira.

Mas no Ministério do Ambiente os laços familiares eram mais. O ministro Pedro Matos Fernandes terá autorizado a nomeação da então mulher, Isabel Marrana, para chefe de gabinete da secretária de Estado do Ordenamento do Território, Célia Ramos, cargo do qual pediu a demissão em agosto de 2018. Isabel Marrana foi, entretanto, nomeada assessora do conselho diretivo da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), onde começou funções em janeiro de 2019.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.