Escolas com obras prometidas há três anos começam ano letivo em contentores
Premium

Educação

Escolas com obras prometidas há três anos começam ano letivo em contentores

O governo avançou com a promessa de requalificar pelo menos 91 escolas, plano ao qual se juntaram mais umas centenas. A poucas semanas do final da legislatura, há muitas escolas onde as obras ainda estão só a começar - preço dos concursos está na origem de muitos atrasos.

Foi uma das principais bandeiras do início da legislatura na educação. Em 2016, o governo aprovou a requalificação de escolas básicas e secundárias, de norte a sul do país. A primeira lista de instituições a serem intervencionadas foi publicada pouco depois, nomeando 91 escolas. Mas, para muitas destas, o processo demorou a iniciar-se e perdurará até depois do final da legislatura. Um cenário que se traduz agora na substituição de salas por contentores, já no início deste ano letivo.

É uma imagem que se repete ao longo do país onde ainda resistem escolas antigas: as paredes exteriores de tijolo e betão a envolver as janelas com velha caixilharia de alumínio. Na Escola Básica e Secundária Sidónio Pais, em Caminha, a paisagem é esta há vários anos. Desde 2016 que esperam uma diferente, à semelhança de pelo menos 91 escolas contempladas no início do plano governamental.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.