Premium Assembleia quer mexer nos créditos a alunos para criar fundo... que já existe

Deputados recomendaram ao governo recurso a fundo para reforçar garantias do sistema de empréstimos a estudantes com vista a construir residências universitárias. Mas esse fundo já existe.

A Assembleia da República aprovou no passado dia 15 de março uma resolução, publicada nesta segunda-feira em Diário da República, em que recomenda ao governo a adoção de um "plano de emergência" para o alojamento de estudantes do ensino superior. Mas a implementação das medidas sugeridas não se antevê muito prática. Uma das propostas dirigidas ao executivo passa por recorrer a verbas do ​​​​​​POPH - Programa Operacional do Potencial Humano, utilizadas para reforçar as garantias do sistema de empréstimos a estudantes - pondo assim em causa o sistema - e transferi-las para um novo "fundo" que, no essencial, será igual ao que já existe desde outubro do ano passado.

Mais concretamente, a resolução, nascida de uma proposta do Bloco de Esquerda, propõe ao governo que, "através do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, reequacione o fundo financeiro disponibilizado para os empréstimos bancários a estudantes do ensino superior, utilizando-os na construção de mais residências universitárias e implementando um mecanismo financeiro de emergência para todos os estudantes deslocados que não encontrem oferta de alojamento nas residências universitárias".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.