Cristãos e marxistas à mesma mesa. Um encontro com inimigos

Um encontro entre Tsipras e o Papa deu origem a uma plataforma que agora discute "visões do que é prioritário".

Quando hoje, em Ermoupoli, na Grécia, cristãos e marxistas se sentarem à mesma mesa para discutir durante oito dias a "Europa como uma casa comum", haverá quem torça o nariz. "Na verdade, este processo de diálogo tem inimigos e estes são externos e internos", aponta ao DN José Manuel Pureza, deputado do BE e católico, que está na Grécia para participar na escola de verão do Dialop (Projeto de Diálogo entre Cristãos e Marxistas). "Nem todos os cristãos simpatizarão com isto, como nem todos os marxistas..."

De um encontro no Vaticano entre o então líder da oposição grega, Alexis Tsipras, e o Papa Francisco "nasceram pistas de aproximação e convergência muito estimulantes" traduzidas nesta plataforma de diálogo, que procura esses "pontos de convergência, a partir da diversidade, de pressupostos que são marxistas e católicos", aponta Pureza.

"Não há proselitismo de parte a parte, há áreas que desafiam à convergência", regista, recordando os tempos conturbados que se vivem - também na Igreja. "Hoje, na Europa, as tensões exigem escolhas, onde cristãos e marxistas estão comprometidos", indica o deputado bloquista. Que enumera a pobreza e as desigualdades, os refugiados e os migrantes, a xenofobia e o racismo como áreas onde está presente esse compromisso. São questões que "desafiam quem, como cristão e como marxista, se bate pelos direitos das pessoas".

"Hoje, na Europa, as tensões exigem escolhas, onde cristãos e marxistas estão comprometidos."

José Manuel Pureza chegou a estes encontros "pelo lado da esquerda". "Mas", diz, "faria com o mesmo entusiasmo se fosse desafiado pelo lado católico". "Há grande sintonia de preocupações e perspetivas", nota.

Na abertura da escola, que decorre neste domingo à tarde, será possível escutar o arcebispo Vincenzo Zani, secretário da Congregação da Educação Católica, e na quarta-feira um dos oradores será Michael Löwy, pensador marxista brasileiro radicado em França, que dirige as Ciências Sociais no Centre National de la Recherche Scientifique, de França.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).