BPN, 10 anos depois: ainda custa dinheiro ao Estado e ninguém foi preso

A falência do banco liderado por Oliveira Costa custou aos contribuintes 3,7 mil milhões de euros só até ao final 2016. É o equivalente a 1,9% do PIB, a preços atuais.

Foi a um domingo de finados, 2 de novembro de 2008, faz hoje precisamente dez anos, que o governo do primeiro-ministro José Sócrates e do ministro das Finanças Fernando Teixeira dos Santos anunciou a nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN).

O pequeno banco guardaria para os contribuintes uma fatura enorme que ainda hoje está por fechar. Segundo o Tribunal de Contas, a falência custou, em termos líquidos, até ao final de 2016 (o apuramento oficial mais recente disponível), a quantia de 3,7 mil milhões de euros.

A preços atuais, é o equivalente a 1,9% do produto interno bruto (PIB). A meta do governo para o défice global é de 0,2% do PIB em 2019. O custo acumulado do BPN é quase dez vezes mais. O BES, um banco muito maior, custou 4,6 mil milhões até 2016.

Em 2008, estava a crise a começar, a nacionalização foi algo de espantoso. "Excecional", "delicada", "anómala", classificou na altura Teixeira dos Santos. Havia "risco sistémico", podia levar a uma derrocada do sistema bancário português, uma corrida aos depósitos.

Todos os anos caem 400 a 500 milhões de euros de prejuízos nas contas públicas

Foi assim que o ministro justificou a primeira nacionalização desde 1975. O BPN passaria a ser gerido pela CGD, que incorporou perdas avultadas da operação liderada até fevereiro de 2008 por José Oliveira Costa. Foi uma fonte importante de descapitalização do banco público. Oliveira Costa acabou preso e ainda hoje está às voltas com a Justiça.

Passados dez anos, a CGD continua grande credora do caso BPN. E os contribuintes continuam a pagar todos os anos um custo elevado por esta herança. Todos os anos caem 400 a 500 milhões de euros de prejuízos nas contas públicas. O ano de 2018 não foi exceção, 2019 também não será.

Do antigo BPN sobram três fundos ou veículos que guardam os "ativos" mais difíceis de resolver. Alguns tóxicos, como empréstimos que nunca foram pagos; outros altamente desvalorizados. Estes fundos foram criados em 2010 e são eles que todos os anos consomem dinheiro público.

A marca BPN entretanto desapareceu. As melhores partes do banco foram vendidas ao então BIC por 40 milhões no final de 2011.

Em 2019, a Parvalorem, que gere os restos da carteira de empréstimos do antigo BPN, vai exigir 409 milhões de euros em despesa pública, segundo um levantamento feito pelo DN/Dinheiro Vivo. É o valor da autorização de despesa que o atual governo de António Costa e de Mário Centeno faz ao Parlamento na proposta de Orçamento do Estado para o próximo ano.

Os mapas do OE 2019 mostram ainda que a Parups, o fundo que contém imóveis, obras de arte, moedas de coleção e outros ativos herdados do BPN, implica uma despesa que vai aos 117 milhões. E a Parparticipadas, a sociedade que gere as participações do antigo BPN noutras empresas e fundos fora do banco, como o Banco Efisa, tem previstos 21,5 milhões de euros de gastos públicos em 2019.

Se não houver receita suficiente para cobrir as despesas orçamentadas, será o Estado a pôr a diferença

Tudo somado, dá 548,2 milhões de despesa para as três sociedades "par" que ficaram com os restos do antigo BPN em 2019. Ainda assim, é menos do que o orçamentado para este ano. O OE 2018 previa 641,3 milhões. Este dinheiro é fundamental para que esses fundos (as chamadas "sociedades par") continuem a desfazer-se do que têm e a pagar ao grande credor que é a CGD.

A atualização do custo líquido até final de 2017 (o Tribunal de Contas só vai até 2016) acontece em meados do próximo mês de dezembro, quando os juízes divulgarem o parecer sobre a Conta Geral do Estado de 2017.

Nos Orçamentos do Estado ou na execução orçamental a informação sobre este assunto é magra. No OE 2019, há apenas uma referência a "garantias concedidas pelo Estado a outras entidades", mas reporta-se à situação que existia a 30 de junho passado. A Parvalorem tinha um aval público para pedir empréstimos no valor de 1995 milhões de euros. A Parups outros 252 milhões.

Se forem executadas, estas garantias transformam-se automaticamente em despesas a suportar pelos contribuintes. Num cenário desastroso e limite, em que nada fosse recuperado, haveria perdas potenciais na ordem dos 2,25 mil milhões de euros a somar ao que já foi reconhecido.

Volvida uma década, tem havido alguma recuperação de ativos (venda de imóveis e de outros valores), receitas próprias das chamadas "sociedades par", que amenizam ligeiramente a situação e vão reduzindo o bolo das garantias públicas. Mas, se não houver receita suficiente para cobrir as despesas orçamentadas, será o Estado a pôr a diferença. Tem sido assim desde 2008 (com a CGD responsável pelo BPN), e sobretudo de 2010 em diante, com as três sociedades "par".

Leia mais no Dinheiro Vivo

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

É o que dá prometer nacionalizar tudo o que mexe

A chegada de Jeremy Corbyn à liderança do Partido Trabalhista foi saudada como uma espécie de feliz regresso às origens, aos ideais fundacionais, à verdadeira esquerda. Tanto mais que essa vitória se fez contra as principais figuras do partido, enfrentando o chamado sistema, amparado num discurso profundamente desconfiado da economia de mercado e próximo de experiências socialistas ou comunistas. Nessa narrativa, que se popularizou, Blair representava o abastardamento desses ideais, uma espécie de esquerda vendida, incapaz de resistir aos vis interesses do capitalismo. Já Corbyn, claro, representava a esquerda autêntica, a preocupada com os mais vulneráveis, e por isso capaz de mobilizar toda aquela jovem militância que transvasava para o partido vinda das redes sociais. E à medida que Corbyn foi resistindo aos ataques do chamado baronato do partido, e não o levando ao colapso eleitoral que os barões afiançavam, a narrativa foi ganhando adeptos na opinião publicada e nas redes sociais politizadas, como que confirmando a ideia de que o centro moderado estava morto, enterrado, que o velho socialismo era o novo socialismo, o único capaz de mobilizar a juventude e as massas, o exemplo a seguir. Diga-se que esta ideia de moderação morta e enterrada não se quedou pelos trabalhistas ingleses nem sequer pela esquerda inglesa. Vários partidos socialistas europeus andam com entusiasmos ou ânimos semelhantes (França, Espanha e Portugal são exemplos), como à direita anda muita gente a defender o mesmo (Espanha e Portugal são exemplos também). Mas eis que o colapso eleitoral chegou, e com estrondo. Um resultado ainda pior do que o sofrido por Foot e Kninock, perdendo bastiões que eram seus há décadas. É o que dá defender nacionalizações de tudo e mais alguma coisa e propor um manifesto próprio da esquerda sul-americana. É o que dá confundir indignação com razão, radicalismo com determinação, emoção com inspiração, tudo embalado pelas redes sociais politizadas, dominadas por elites urbanas deslocadas das principais preocupações das pessoas. Mas se o centro não morreu, se a moderação está viva e de boa saúde, como explicar que Boris Johnson, tomado por cá como uma espécie de Trump, como uma direita pouco moderada, tenha tido uma vitória esmagadora? Convém ir além da forma e do estilo e conhecer não só o trajeto executivo de Boris na Câmara de Londres como também o seu manifesto para estas eleições. Conhecendo-o, vejo poucas razões para a direita que desdenha a moderação andar a celebrar esta vitória. Boris funda o seu manifesto numa adesão à economia de mercado e à democracia liberal pouco compatível com os críticos da globalização e da livre circulação, e exalta um cosmopolitismo e um liberalismo social que costumam arrepiar quem acha que isso é marxismo cultural.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Contas certas com prioridades certas

Cada vez mais, ouvimos dizer que o vínculo entre os cidadãos e a vida política é, hoje em dia, menos pleno do que antes. Rui Rio, esta semana, falou até de um "divórcio entre a sociedade e os partidos". Percebe-se o recurso a esta metáfora por parte do PSD, devido ao seu clima interno de discórdia. No entanto, constatar o afastamento não basta e não nos isenta. Há também que refletir sobre o conceito de "democracia de proximidade" de que tanto falamos e do que isso significa. O que é - de facto - uma democracia de proximidade? Em primeiro lugar, é a democracia próxima dos problemas e anseios dos cidadãos. Basta olhar para a esfera pública para perceber que se exige cada vez mais à democracia que seja capaz de resolver problemas reais e estruturais.