O catolicismo ainda está em maioria na Área Metropolitana de Lisboa, mas são cada vez mais os que  não
Exclusivo

religião

Emancipação. Mais de um terço dos residentes da Grande Lisboa não têm religião

Estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos revela tendência para o crescimento dos sem religião na Área Metropolitana de Lisboa, embora entre eles haja quem mantenha uma crença. Maioria dos católicos aceita a eutanásia dentro de certos limites.

A Área Metropolitana de Lisboa é lida como um "laboratório" da diversidade religiosa em Portugal. É nesta região do país - que junta 18 municípios, de Mafra a Setúbal - que se concentra um maior pluralismo religioso. E apesar de mais de metade da população da AML ser católica (54,9%), assiste-se a um fenómeno que está a ganhar terreno: o número crescente de pessoas que dizem não ter nenhuma religião. Já são quase 35% aqueles que não se veem representados em qualquer grupo religioso - 22% são não crentes e 13% afirmam-se crentes mas sem religião.

E é esta última população, os que acreditam em algo mas não professam qualquer religião, que merece uma certa diferenciação: "Revelam uma posição de maior autonomia, o que responde a grandes transformações das sociedades do Atlântico Norte nos anos 70.

Investigações realizadas nos anos 90 mostraram que o principal fenómeno social não passava tanto pela desafetação em relação ao religioso, a um distanciamento desse imaginário, mas mais uma autonomia em relação às instituições religiosas", explica o professor Alfredo Teixeira, coordenador do estudo "Identidades religiosas e dinâmica social na Área Metropolitana de Lisboa", da Fundação Francisco Manuel dos Santos, que será apresentado nesta terça-feira em Lisboa.

O professor do Centro de Investigação em Teologia e Estudos de Religião da Universidade Católica sublinha ainda que se trata de pessoas, que sem qualquer exercício de pertença, reclamam para si próprias a gestão da sua crença. "Esta tendência não é apenas de desfiliação religiosa, mas sim conducente a um estado de emancipação religioso."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG