O grupo criminoso que é uma das maiores empresas do Brasil

Criada há 25 anos, dentro de uma prisão, a organização criminosa fatura perto de 200 milhões de euros por ano. Tem braços jurídico e religioso. E poder para influenciar as eleições.

No dia 31 de agosto de 1993, o grupo de presos na cadeia de Taubaté que decidiu fundar a organização criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), como resposta à ação policial conhecida como massacre do Carandiru, que matou 111 presos, tinha objetivos ambiciosos. Mas não ao ponto de, completado o primeiro quarto de século, estar entre as 500 empresas com maior faturação anual no Brasil, de acordo com dados recentes da polícia, e ter capacidade até de influenciar as eleições de 7 de outubro, segundo um dos maiores especialistas no grupo.

Para o desembargador Walter Maierovitch, que estuda há décadas o PCC e outras organizações semelhantes, "em São Paulo eles já ousaram até lançar um candidato a vereador: não prosperou, pois a candidatura foi impugnada, mas hoje são os candidatos que procuram o apoio do PCC".

"Como toda a organização criminosa de matriz mafiosa, o PCC tem poder intimidatório. Como controla territórios, quando lança um nome ou uma ordem, as pessoas ficam com medo e obedecem. Ataques feitos a pontos estratégicos no período eleitoral ou no dia da eleição vão fazer que as pessoas tenham medo de votar e não se desloquem", prosseguiu, em entrevista à BBC Brasil.

De acordo com o especialista, a influência verifica-se sobretudo nas periferias de São Paulo, cidade com mais de dez milhões de habitantes, e incluí até pagamentos de festas de igrejas e quermesses.

"Quem se aproxima de organizações criminosas normalmente quer obter votos, porque elas exercem uma intimidação difusa, controlam territórios. Mas essas organizações, como mexem com atividades ilícitas que geram lucro, como o tráfico de drogas, evidentemente podem, sim, financiar campanhas."

Por tráfico de drogas, entenda-se a exportação semanal de uma tonelada de maconha [canábis] e cocaína pelos portos de Santos, Rio de Janeiro e Fortaleza, de acordo com a estimativa da polícia. Os agentes chegaram a essa e outras conclusões após a execução de Gegé do Mangue, o maior líder do PCC em liberdade, no início do ano. Ao investigarem a casa de Nado, ao lado de Cabelo Duro, um dos supostos responsáveis pelo homicídio de Gegé, os agentes tiveram acesso a documentação sigilosa. Segundo Lincoln Gakyia, responsável pelo departamento da polícia que investiga o PCC, a faturação do grupo pode chegar a 800 milhões de reais por ano, perto de 170 milhões de euros, o que o colocaria na seleta lista das 500 maiores empresas brasileiras.

E, tal como o esquema de corrupção descoberto na Operação Lava-Jato, os líderes da organização também recorrem a "doleiros", intermediários que transformam os reais em dólares e os transferem para fora do Brasil, e a cerca de 200 postos de gasolina controlados por testas-de-ferro que lavam o dinheiro.

Calcula-se que a organização fature cerca de 170 milhões de euros por ano

A organização do PCC, que conta com um exército de cerca de 30 mil membros espalhados pelos 26 estados do Brasil e por cinco países vizinhos, é sofisticada. Há censos anuais e atendimento jurídico e de saúde aos detidos em troca de um sistema de quotização - membros presos pagam 50 reais mensais, membros livres, mil. Além de um estatuto com 16 pontos, que prevê pena de morte a traidores, e uma hierarquia que culmina na "sintonia geral".

O chefe máximo da "sintonia geral" é Marcola, a cumprir pena de 44 anos numa prisão de segurança máxima de Presidente Venceslau. Terá partido dele a ordem para Nado e Cabelo Duro matarem Gegé do Mangue, num crime de cinema com recurso a helicóptero e rajadas de artilharia pesada em área rural do Ceará. Gegé estaria a faturar através da ligação a Fuminho, traficante exterior ao PCC que opera a partir do Paraguai. Na sequência dessa disputa, Nado e Cabelo Duro também acabaram assassinados.

Marcola chegou ao poder em 2002, nono ano de atividade do PCC, após matar Cesinha e Geleião, os anteriores chefes, que por sua vez haviam estado por trás do espancamento até à morte de Sombra, o líder original.

O PCC conta com 30 mil membros espalhados pelos 26 estados do Brasil

Já com Marcola no comando, o PCC protagonizou três ondas de violência: em 2006, através de 251 ataques e 73 rebeliões em cadeia que resultaram em cerca de 300 mortes e no incêndio de 90 autocarros, como retaliação à ação da polícia de ter enclausurado os seus líderes em celas isoladas de prisões de segurança máxima.

Em 2012, ao longo de cerca de um mês, um a dois polícias, de folga ou em serviço, foram assassinados por dia, numa demonstração de força do grupo.

Na passagem de 2016 para 2017, durante a guerra pelo chamado espólio das FARC, ex-grupo paramilitar colombiano, com a organização rival Comando Vermelho (CV), originária do Rio de Janeiro, que resultou em 69 mortos do lado do CV e 64 do lado do PCC no interior de prisões. O maior desses conflitos, no Complexo Anísio Jobim, em Manaus, matou 56 presos, a maior chacina numa cadeia desde o massacre do Carandiru, que motivou a fundação do PCC há 25 anos.

Em São Paulo

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.