Premium Só há mil professores abaixo dos 30 anos. Há 20 anos eram quase 30 mil

As escolas portuguesas perderam cerca de 250 mil alunos desde o ano 2000, 427 mil se formos apenas à última década, mas ainda assim a queda no número de professores do 2.º ciclo até ao secundário foi mais acentuada do que a diminuição de crianças.

No início do século eram perto de 30 mil (27 121), no ano letivo de 2017-18 pouco passavam de mil (1271), boa parte deles a trabalhar no privado. O relatório Educação em Número 2019, da Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC), mostra que o número de professores portugueses com menos de 30 anos sofreu uma queda a pique em menos de duas décadas. Uma impressionante quebra de 95%, que se agrava a cada ano que passa e vem dar corpo aos argumentos dos sindicatos, que pedem a renovação de uma classe cada vez mais envelhecida.

Para perceber a dimensão do problema, basta olhar para o outro extremo da tabela das idades, em que o número de professores com mais de 60 anos nos vários ciclos passou de 3633 para quase 13 mil (12 931) em 2017-18. Uma subida de 255%. No 1.º ciclo, por exemplo, e sem distinção entre escolas privadas e públicas, os professores com mais 60 anos eram, no ano passado, cerca de dois mil (1966), quando no início do século pouco passavam do meio milhar (549).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.