Volkswagen admite culpa por fraude nas emissões poluentes

Empresa alemã declarou-se culpada num tribunal norte-americano. Caso de fraude afetou quase 600 mil veículos

O fabricante automóvel alemão Volkswagen (VW) declarou-se hoje culpado, num tribunal de Detroit, de conspirar para defraudar milhares de pessoas nos Estados Unidos com a manipulação das emissões poluentes nos veículos com motores 'diesel'.

A declaração de culpabilidade da VW faz parte do acordo que o grupo alemão alcançou em janeiro com as autoridades norte-americanas para resolver o caso que afetou quase 600 mil veículos com um dispositivo que manipula as emissões poluentes realmente produzidas.

Segundo o acordo, a empresa vai pagar 2.800 milhões de dólares (2.640 milhões de euros) como "multa penal por conspiração de longo prazo para vender aproximadamente 590 mil veículos a 'diesel' nos Estados Unidos usando um dispositivo que manipulava os testes de emissões ordenados pela Agência de Proteção Ambiental (EPA)" e autoridades da Califórnia.

A VW terá ainda de pagar 1.500 milhões de dólares (1.400 milhões de euros) por importação e venda nos Estados Unidos de veículos manipulados e por fraude aduaneira.

Após a VW ter admitido a culpabilidade, o juiz instrutor do caso, Sean Cox, anunciou que vai estudar o acordo alcançado entre as duas partes, de acordo com a agência Efe.

Cox, que fixou a data de 21 de abril para ditar formalmente a sentença, afirmou que os delitos pelos quais o fabricante alemão se declarou culpado são "muito graves".

Exclusivos

Premium

Livro

Antes delas... ninguém: mulheres que desafiaram o domínio masculino

As Primeiras - Pioneiras Portuguesas num Mundo de Homens é o livro com as biografias de 59 mulheres que se atreveram a entrar nas profissões só de homens. O DN desvenda-lhe aqui oito dessas histórias, da barrista Rosa Ramalho à calceteira Lurdes Baptista ou às 'Seis Marias' enfermeiras-paraqueditas, entre outras