Turismo deu 14 milhões de euros para rodar 46 filmes em Portugal

O Fundo de Apoio ao Turismo e ao Cinema apoiou, entre 2018-2019, um total de 46 produções, que representaram um investimento de 49,2 milhões de euros. O Estado deu apoios de 14,3 milhões.

Valorizar e promover internacionalmente Portugal através da sétima arte é um dos principais objetivos do Fundo de Apoio ao Turismo e ao Cinema, criado em junho de 2018. Num ano e meio de vida, este fundo, que estabelece um regime de incentivos fiscais à produção cinematográfica e audiovisual em território nacional, já apoiou quase meia centena de produções, tendo dado apoios de mais de 14 milhões de euros.

"No âmbito do Fundo de Apoio ao Turismo e Cinema foram apoiadas 46 produções cinematográficas no período de 2018-2019, que representaram um investimento em Portugal de 49,2 milhões de euros, as quais beneficiaram de um apoio total de 14,3 milhões de euros", revelou o ministério liderado por Pedro Siza Vieira, em resposta ao DN/Dinheiro Vivo.

O objetivo é, através dos filmes, dar a conhecer diversas regiões de Portugal, mostrando o seu potencial turístico.

O Fundo de Apoio ao Turismo, Cinema e Audiovisual, lançado em junho de 2018, é gerido pelo Turismo de Portugal, em articulação com o Instituto do Cinema e do Audiovisual, e conta com um capital inicial de 30 milhões de euros, embora possa posteriormente alcançar os 50 milhões.

"As produções apoiadas (na sua maioria internacionais ou coproduções) revelam um contributo importante para o posicionamento de Portugal como destino internacional de produção de filmagens e enquanto país capaz de servir toda a fileira relacionada com a indústria cinematográfica, atraindo investimento estrangeiro e de que não se pode dissociar a exposição mediática prevista por via da circulação internacional em importantes mercados estratégicos e de aposta", acrescenta o governo. O objetivo é, através dos filmes rodados em Portugal, dar a conhecer no estrangeiro as belezas de diversas regiões, mostrando o seu potencial turístico.

A candidatura por parte das entidades da sétima arte a estes apoios implica que seja feito um investimento mínimo de 500 mil euros no país, no caso de filmes rodados em Portugal, e de 250 mil euros, no caso de trabalhos de produção. Este fundo permite um reembolso até 30% das despesas dos projetos.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG