Taxas aeroportuárias aumentam terça-feira em Lisboa e Porto

Aumento decorre de um crescimento do tráfego acima do previsto

As taxas aeroportuárias aumentam na próxima terça-feira 5,38% no aeroporto de Lisboa e 1,90% no aeroporto do Porto, decorrente de um crescimento do tráfego acima do previsto, de acordo com a ANA - Aeroportos de Portugal.

Segundo a empresa liderada por Ponce de Leão, que desde o início de 2013 está nas mãos do grupo francês Vinci, este ajustamento tarifário resulta de um aumento do tráfego nestes dois aeroportos acima do previsto em 2014, um desvio de 4,6% na Portela e de 9,2% no aeroporto Francisco Sá Carneiro.

"O tráfego acumulado à data de 31 de maio é superior ao previsto em 2014 e as perspetivas de evolução para o verão IATA indiciam um desempenho no segundo semestre que irá acentuar ainda mais esta tendência", lê-se na decisão da gestora aeroportuária.

Ainda assim, a ANA esclarece que este aumento é "apenas uma recuperação parcial" do desvio, correspondente a 36% do desvio apurado em Lisboa e 8,36% no Porto.

"Esta decisão tarifária está em linha com o já ocorrido em 2014 e evitará avolumar o valor das taxas não cobradas às companhias aéreas, a recuperar dois anos mais tarde, e promove uma evolução tarifária mais estável das taxas entre 2015 e 2016, ao mesmo tempo que mantém suficiente margem de segurança para absorver, caso ocorra, qualquer abrandamento no ritmo de crescimento de tráfego daqueles aeroportos", acrescenta.

A 01 de janeiro, haverá um novo aumento das taxas reguladas nos aeroportos portugueses, que se traduz numa subida média anual de 2,82%, sendo 4,44% em Lisboa, 1,41% no Porto, 0,73% nos Açores e 0,89% em Faro. Já no aeroporto da Madeira, as taxas sofrerão uma redução de 1,02% no próximo ano.

Em termos absolutos, o aumento da receita regulada por passageiro é em média de 27 cêntimos na rede ANA, oscilando entre cinco cêntimos nos Açores e os 46 cêntimos em Lisboa.

Contactada pela Lusa, a RENA - Associação das Companhias Aéreas, que tem contestado os sucessivos aumentos das tarifas reguladas e ajustamentos tarifários, não quis fazer comentários às atualizações decididas pela ANA para 2016, explicando que os fará "no momento oportuno".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.