Taxa de inflação atinge 8,9% na zona euro e 9,8% na UE em julho

Dados do gabinete oficial de estatísticas da UE indicam que a inflação atinge um novo máximo no espaço da moeda única, mas também no conjunto dos 27 Estados-membros.

A inflação homóloga avançou em julho para os 8,9% na zona euro, face aos 8,6% de junho deste ano e aos 2,2% de julho de 2021, enquanto na União Europeia (UE) atingiu os 9,8%, divulgou esta quinta-feira o Eurostat.

De acordo com os dados do gabinete oficial de estatísticas da UE, a inflação - medida pelo Índice Harmonizado de Preços ao Consumidor -- atinge um novo máximo no espaço da moeda única, mas também no conjunto dos 27 Estados-membros, com a taxa de 9,8% na União Europeia a comparar com 9,6% um mês antes e 2,5% em julho do ano passado.

A taxa de inflação na zona euro e na UE tem vindo a acelerar desde junho de 2021, puxada pela subida dos preços da energia, e a atingir valores recorde desde novembro do ano passado.

De acordo com o Eurostat, a subida da inflação na zona euro continuou a ser impulsionada pelo aumento dos preços do setor da energia (39,6%), seguindo-se, a considerável distância, o da alimentação, álcool e tabaco (9,8%).

As taxas anuais mais elevadas foram registadas na Estónia (23,2%), Letónia (21,3%) e Lituânia (20,9%), enquanto as mais baixas foram observadas em França, Malta (6,8% em ambos os casos) e Finlândia (8,0%).

Em comparação com junho, assinala o Eurostat, a inflação anual recuou em seis Estados-membros, manteve-se estável em três e subiu nos restantes 18.

Portugal foi um dos Estados-membros a registar uma subida da taxa de inflação, que aumentou de 9,0% em junho para 9,4% em julho, um valor acima da média da zona euro e que compara com uma taxa de 1,1% um ano antes, em julho de 2021.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG