Restaurantes poderão reabrir com medição de temperatura e regras de controlo

A AHRESP indica que a reabertura de restaurantes e espaços similares poderá estar dependente de regras mais apertadas no acesso a espaços.

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) alerta em comunicado que a reabertura dos estabelecimentos associados a este setor de atividade estará dependente de duas condições - a definição de regras de higiene, saúde e segurança e ainda de apoios às empresas do setor.

A AHRESP esteve reunida esta terça-feira com o primeiro-ministro, António Costa, o ministro da Economia, Siza Vieira, a secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, e com o secretário de Estado da Saúde, António Sales, com o intuito de discutir as condições de uma possível reabertura dos espaços desta área de atividade.

Em comunicado, a associação avança que defende a a reabertura dos restaurantes e alojamentos mediante a "definição de regras específicas nas áreas de saúde, higiene e segurança para clientes, trabalhadores e instalações, bem como de apoios às empresas, particularmente no que diz respeito à manutenção dos postos de trabalho, bem como à compra de equipamentos de proteção individual e medidores de temperatura". Com o intuito de "transmitir confiança aos consumidores", a AHRESP defende a criação de um selo distintivo que possa representar que as "regras de funcionamento estão de acordo com as disposições legais", suportadas por um guia de boas práticas elaborado pela associação.

A AHRESP indica que o documento a elaborar compreenderá vários pontos, como a formação para empresários e trabalhadores e também a reorganização dos espaços e da capacidade máxima, para garantir que é possível cumprir parâmetros como a distância de segurança. No que toca a regras de controlo de entrada nos espaços, o comunicado da AHRESP indica a possibilidade de medição de temperatura corporal, quer de colaboradores como de clientes. O guia incluirá ainda temas como regras de higiene pessoal, distanciamento social, fardamento e equipamentos de proteção individual, assim como regras de limpeza e desinfeção.

"A preparação e confeção de alimentos; menus e serviço; procedimentos em caso suspeito: zona de isolamento e plano de contingência e requisitos específicos para self-service e buffets, take away, delivery e drive-in" estão também incluídas neste guia de boas-práticas.

Por agora, a AHRESP indica que estas medidas precisarão de ser enviadas ao Turismo, para mais tarde serem articuladas e validadas pelas entidades com responsabilidade no setor, como a ASAE, ACT e ainda a Direção-Geral de Saúde.

A AHRESP representa empresas da área da restauração, hotéis, cantinas, padarias e pastelarias, casinos, discotecas, parques de campismo, entre outras.

Jornalista do Dinheiro Vivo

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG