Portugal e Espanha separados nas rotas da seda chinesas

Lisboa assina hoje um memorando para cooperar na iniciativa chinesa Faixa e Rota. O mesmo acordo foi rejeitado por Madrid, que exige mais oportunidades para as suas empresas

Nenhum dos parceiros ibéricos está de costas voltadas para a China, mas seguem trajetórias opostas nas chamadas novas rotas da seda. Portugal assina hoje com o Presidente chinês um acordo que Espanha rejeitou há uma semana, durante a visita de Xi Jinping ao país. Para Madrid, o entendimento não terá oferecido oportunidades às empresas espanholas.

"A iniciativa Faixa e Rota não está a funcionar como era esperado. Não é verdadeiramente uma iniciativa multilateral. É antes um conjunto de acordos bilaterais. E muitos projetos não têm em conta preocupações com a sustentabilidade ambiental ou financeira", considera Mario Esteban, do espanhol Real Instituto Elcano. "Também há um problema de oportunidades de negócio para as empresas espanholas", junta. E essa terá sido a principal razão para uma rejeição "educada" de Madrid no passado dia 28. China e Espanha assinaram antes um acordo para cooperação em investimentos em terceiros países, matéria que também está na agenda da cooperação luso-chinesa.

Para Lisboa, porém, há perspetivas de atrair investimento para os portos portugueses. O memorando de entendimento para a cooperação bilateral entre Portugal e China no âmbito da iniciativa Faixa e Rota será o principal documento assinado entre os dois países durante a deslocação a Portugal do Presidente chinês, que se conclui hoje com 17 acordos no total.

Com a aproximação ao projeto de investimento em corredores logísticos anunciado por Xi em 2013, o governo diz querer atrair investimento para Sines, colocando o porto português na rota dos porta-contentores chegados do Canal do Panamá como ponto de transbordo de carga com destino à Ásia. O porto da Praia da Vitória, na Terceira, também tem sido referido num momento em que os Açores promovem o caderno de encargos do concurso internacional para a sua concessão e ampliação.

A abordagem dos diferentes países europeus ao investimento chinês não é tema pacífico. Para alguns, Portugal surge cada vez mais próximo de Pequim depois de um encaixe superior a nove mil milhões de euros da venda de participações de empresas portuguesas iniciada no final de 2011 com a entrada da China Three Gorges na EDP.

"O governo do primeiro-ministro Costa tem procurado promover a cooperação na Ásia, e com a China. Também creio que há sectores na economia portuguesa que estão agora sob influência direta da China após a compra das principais empresas, da energia à banca e seguros", comenta François Godement, do European Council on Foreign Relations.

O "choque" espanhol com a EDP

Também para Mario Esteban, a atitude portuguesa tem-se demarcado da espanhola na abertura de setores que Madrid quis manter vedados. "Portugal tem um muito significativo investimento chinês em setores estratégicos e Espanha não. A Espanha está disponível para receber mais investimento chinês, mas não a qualquer custo e não em qualquer setor", afirma.

A aquisição da EDP, com atividade em Espanha, pela China Three Gorges terá, aliás, sido a principal divisória ibérica, apanhando há mais de seis anos Madrid desprevenida. "O grande choque para Espanha foi o país não ter conseguido antecipar. Foi sobretudo o elemento surpresa. A Espanha tinha rejeitado investimento nesse setor. Foi um setor que não foi conseguido pelas empresas chinesas em Espanha, que acabaram ainda assim por entrar através do investimento em Portugal", diz Mario Esteban.

Esta compra acabaria por motivar o apoio espanhol a novas regras europeias de análise a investimentos feitos por países exteriores à União Europeia, inicialmente propostas por França e Alemanha e que estão prestes a receber o voto final do Conselho Europeu e do Parlamento Europeu.

"É uma das razões pela qual Espanha apoia o mecanismo de escrutínio da União Europeia. Por via deste mecanismo, será necessário informar outros Estados-membros dos investimentos", diz o analista do Real Instituto Elcano.

Quando forem aprovadas, as regras comuns passarão a exigir que os Estados-membros deem conhecimento de investimentos sensíveis ou com implicações em programas da União aos restantes países do grupo e à Comissão Europeia. A última palavra sobre qualquer investimento ficará ainda assim com cada um dos países.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.