"Podemos querer mais, mas não podemos negar o esforço já feito", diz Centeno

Mário Centeno destacou os resultados alcançados na redução do défice orçamental, no crescimento económico e na recuperação de emprego

O ministro das Finanças admitiu esta terça-feira que é "possível querer mais" investimento nos serviços públicos, mas que não é possível "negar o esforço" que foi feito, sublinhando que pela primeira vez numa legislatura o Governo manteve as metas.

Numa intervenção no parlamento sobre o Programa de Estabilidade (PE), Mário Centeno destacou os resultados alcançados na redução do défice orçamental, no crescimento económico e na recuperação de emprego e enumerou o aumento de trabalhadores no Serviço Nacional de Saúde (SNS), na saúde e na cultura.

"Podemos querer mais, mas não podemos negar o esforço feito", afirmou o ministro no parlamento, que debate esta terça-feira também recomendações sobre o documento.

"O desempenho económico e orçamental de Portugal em 2017 permitiu que hoje possamos dizer que estamos melhor. Temos menos défice, mas ainda temos défice"

Recorde-se que os parceiros parlamentares apresentaram recomendações sobre o Programa de Estabilidade, com o Bloco de Esquerda (BE) a discordar da revisão das metas do défice para este ano e a defender o reforço do investimento nos serviços públicos, designadamente no SNS e na escola pública e o PCP a exigir o "direito soberano do Estado português a decidir do seu futuro", assumindo a necessidade de mobilizar os recursos necessários ao aumento dos salários e pensões e à melhoria dos serviços públicos.

"O desempenho económico e orçamental de Portugal em 2017 permitiu que hoje possamos dizer que estamos melhor. Temos menos défice, mas ainda temos défice", observou Mário Centeno.

O governante recordou que há um ano, quando apresentou o Programa de Estabilidade 2017-2021, as Finanças projetavam uma melhoria do saldo orçamental de aproximadamente 960 milhões de euros entre 2017 e 2018.

"Com o desempenho orçamental de 2017 esta meta pôde ser revista. Hoje o Programa de Estabilidade prevê uma melhoria do saldo de apenas 370 milhões de euros. Temos hoje uma menor redução do défice do que a que projetávamos há um ano", sublinhou.

O ministro garantiu que isto é possível "sem colocar em causa nenhum dos compromissos assumidos no Orçamento do Estado para 2018, nem o esforço estrutural de consolidação das contas públicas", salvaguardando que "todas as despesas previstas continuam no orçamento".

Recordando que, há três anos, o PS apresentou um plano orçamental que oferecia uma "alternativa política" para o país, Mário Centeno concluiu que hoje é possível verificar que "os objetivos foram atingidos", sobretudo no investimento, no aumento do rendimento e na consolidação das contas públicas.

"os desafios do país devem ser superados, construindo as condições para que, no futuro, possamos utilizar todos os instrumentos orçamentais disponíveis"

"Pela primeira vez numa legislatura, três anos após o seu início, um Governo mantém o seu compromisso com os portugueses. Nunca revimos os nossos objetivos. Este capital de credibilidade é do Governo e é de quem apoia o Governo", disse.

Para o futuro, defendeu o ministro, o Programa de Estabilidade "propõe uma trajetória de crescimento inclusivo, com responsabilidade e diálogo na tomada de decisões, mas, acima de tudo, com estabilidade e responsabilidade".

Isto porque, insistiu Mário Centeno, "os desafios do país devem ser superados, construindo as condições para que, no futuro, possamos utilizar todos os instrumentos orçamentais disponíveis".

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?