Levantamentos em Fátima superaram 1 milhão de euros

Face ao mesmo período de 2016, houve um aumento de 9% tanto no número de levantamentos como no valor levantado.

Os visitantes de Fátima levantaram mais de um milhão de euros das caixas Multibanco daquela localidade entre 10 e 14 de maio, dias que coincidiram com as comemorações do centenário das 'aparições' e a visita do papa.

A informação foi hoje divulgada pela SIBS, gestora da rede Multibanco, que refere que nos cinco dias em causa realizaram-se "cerca de 16 mil levantamentos nas 19 caixas multibanco disponíveis na localidade" de Fátima, tendo o valor levantado atingido 1,078 milhões de euros.

Face ao mesmo período de 2016, houve um aumento de 9% tanto no número de levantamentos como no valor levantado.

Por hora, foram registados em média 130 levantamentos. O valor médio do levantamento ascendeu a 68 euros.

"O pico máximo das operações de levantamento foi atingido no dia 12 de maio, com uma média de 280 levantamentos por caixa Multibanco, cerca de três vezes mais do que a média registada na rede caixas Multibanco em abril de 2017", refere ainda a informação enviada aos meios de comunicação social.

A SIBS divulgou a mesma análise mas para todo o Concelho de Ourém, sendo que nesse caso houve 40 mil levantamentos num valor de 2,3 milhões de euros.

Por hora, foram registados em média 130 levantamentos

Foram ainda gastos mais 2,4 milhões de euros em compras pagas por Multibanco.

Por hora, no concelho de Ourém, houve 330 levantamentos e mais de 410 compras.

"Em comparação com o período homólogo registou-se um aumento de 3% nos levantamentos e 37% no número de compras na Rede Multibanco", acrescenta a SIBS.

A gestora do Multibanco refere também que em termos de visitantes com cartões estrangeiros os que fizeram mais levantamentos e compras foram aqueles com cartões de França, seguidos de Estados Unidos da América, Reino Unido, Espanha e Suíça.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.