Novo Banco: Sindicato defende que só nacionalização garante postos de trabalho

O Sindicato dos Trabalhadores da Atividade Financeira esteve ontem reunido com o conselho de administração do Novo Banco

O Sindicato da Atividade Financeira defendeu hoje que só a nacionalização do Novo Banco pode garantir a continuidade dos postos de trabalho e reiterou a sua preocupação face às negociações entre aquela entidade e a Lone Star.

Em comunicado, o Sindicato dos Trabalhadores da Atividade Financeira (SinTAF), que esteve reunido na terça-feira com o conselho de administração do Novo Banco para apresentação da 2ª fase do plano de reestruturação, sublinhou que "só com a nacionalização se pode garantir a continuidade dos postos de trabalho, bem como a estabilidade da economia portuguesa".

"Reiterámos junto da administração do NB [Novo Banco] a nossa preocupação face às negociações entre o Banco de Portugal (Sérgio Monteiro) e a Lone Star (Fundo de investimento) cuja atuação a nível mundial demonstra claramente a sua génese predadora, necrófaga e especulativa e não augura nada de bom para os trabalhadores, não havendo garantia de não aplicação de um novo plano de reestruturação', salienta o sindicato na nota.

No entender do SinTAF, o Novo Banco, "pela sua dimensão, pelo apoio que pode dar às micro, pequenas e médias empresas e às famílias, devia manter-se sobre o controle público do Estado e colocado ao serviço do desenvolvimento económico do país e das famílias".

Por isso, o sindicato adianta que vai "continuar a estar atento a todo o processo de reestruturação, sempre que estiverem em causa os direitos dos trabalhadores".

O SINTAF lembra que até janeiro de 2017 saíram 1.142 trabalhadores, na continuidade do plano de reestruturação iniciado em 2016.

"O objetivo será a saída de mais 358 trabalhadores, prevendo-se que 150 a 200 sejam por reformas antecipadas", indica o sindicato no comunicado.

"O Novo Banco já reduziu a sua rede comercial de 550 balcões para 537, com este plano de reestruturação irá reduzir mais 62 balcões, ficando a rede comercial com 475 agências", é ainda referido.

O presidente do Novo Banco reuniu-se na terça-feira com a comissão de trabalhadores e com os sindicatos, informando-os do lançamento de um programa de rescisões voluntárias e outro de reformas antecipadas que visam a saída de 350 trabalhadores até junho.

Apesar de o programa - que arranca hoje e termina a 10 de março - ser, como o nome indica, de rescisões voluntárias, o Novo Banco reservou-se o direito de ter a 'palavra final' sobre os candidatos, isto é, um trabalhador pode querer aderir e a administração pode impedi-lo de avançar com o processo.

Desde novembro de 2015, saíram do Novo Banco 1.142 trabalhadores (excluindo as operações internacionais) e, levando em conta as vendas - ainda não concretizadas do NB Ásia e do Banque Espírito Santo et de la Vénétie (França) -, o total eleva-se para 1.327 pessoas.

Quanto aos balcões, o Novo Banco precisa de encerrar mais 70 agências para cumprir o objetivo de ter 550 balcões na atividade doméstica no final da primeira metade do ano.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.