Multibanco atinge recorde de transações. Mais de 280 por segundo

Pico foi atingido por volta do meio-dia de ontem com quase 300 transações por segundo

Foram mais de 280 operações instantâneas efetuadas por segundo na rede multibanco. De acordo com a SIBS, a entidade gestora, o pico foi atingido por volta das 12 horas do dia 24, com 281,5 transações por segundo nas Caixas Automáticas e Terminais de Pagamento Automático, ou seja, lojas e caixas. Nunca antes tinha sido atingida tal cifra.

Aliás, durante a manhã de domingo já tinha sido também atingido um valor recorde, mas não se aproximando daquele que foi conseguido ontem. Há dois dias número de transações por segundo foi de 245, mas longe das 281 desta segunda-feira.

Já durante o mês de dezembro do ano passado, a rede multibanco atingiu vários recordes, mas o pico foi atingido um dia mais cedo, a 23. "O pico instantâneo da Rede Multibanco foi registado neste mesmo dia às 12h11m17s, com 263 operações processadas num segundo", referiu a gestora da rede em comunicado.

O presidente da Associação dos Comerciantes do Porto, Joel Almeida, já tinha admitido este mês ao Dinheiro Vivo que este pudesse ser "provavelmente o melhor Natal dos últimos anos", em termos de transações.

As compras de Natal e Ano Novo feitas com pagamentos eletrónicos, totalizaram, o ano passado, 4,5 mil milhões de euros, 12,5% mais do que em 2016. Se acrescentarmos os levantamentos nas caixas automáticas, o valor ultrapassou os 7,6 mil milhões de euros em 2017. A época representa um crescimento de 10 a 20%, principalmente para o comércio tradicional: as vendas de vestuário, calçado e bebidas disparam nesta época do ano e, no caso dos brinquedos, representa mesmo 80% das vendas de todo o ano.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.