Moedas: Antecipar medidas? "É sempre bom" que o governo "continue a cumprir"

Em causa a possibilidade de antecipar para o próximo mês de julho das medidas previstas para 2017

O comissário europeu Carlos Moedas considerou esta quarta-feira, numa reação às decisões de Bruxelas, que "é sempre bom" que o governo "continue a cumprir e a executar de uma maneira sólida, aquilo a que se comprometeram". Moedas respondia à questão sobre a possibilidade da antecipação, para julho, de medidas previstas para 2017.

"É muito difícil dizer, porque ainda esta manhã não sabia qual seria a decisão tomada hoje", disse, considerando porém que "é sempre bom, mesmo quando as decisões são sobre o passado, que os governos continuem a cumprir e continuem a executar de uma maneira sólida aquilo a que se comprometeram".

"Isso dá uma boa imagem e um bom ambiente, nas próprias reuniões do colégio, uma vez que têm em conta, não só a parte técnica, mas também o ambiente político [e] aquilo que se está a passar nos países", frisou o antigo governante que coordenou as negociações entre o governo e a troika.

No entanto, questionado sobre se o prazo de julho é tempo dado ao país para apresentar novas medidas, Carlos Moedas responde que os dois meses "dão mais tempo" à Comissão para fazer uma "analise fina" do resultados alcançados "no passado".

"Está dependente da Comissão analisar no tempo aquilo que foi feito, desde 2010. Não podemos olhar apenas para um ano ou dois anos e tomar uma decisão. Obviamente que a decisão tem a ver com o passado, mas vendo vendo todo o esforço que foi feito", disse o comissário, frisando que esse tinha sido "um dos pontos pelos quais se bateu", na reunião do colégio, na qual, apesar do "consenso" alcançado para adiar a decisão, houve "debate".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.