Ryanair obrigada a indemnizar passageiro por atraso devido a falha de abastecimento em Lisboa

Queixoso será indemnizado em 250 euros por ter chegado ao destino com quatro horas de atraso, devido à avaria no sistema de abastecimento no Aeroporto Humberto Delgado

O Tribunal obrigou a Ryanair a indemnizar em 250 euros um passageiros pelo atraso no seu voo, na sequência das perturbações causadas pela falha no abastecimento de combustível no Aeroporto de Lisboa em maio de 2017.

A informação foi avançada pela empresa de defesa de direitos dos passageiros AirHelp, que representou o queixoso, notando assim que "ganhou recentemente o seu primeiro caso em tribunal" sobre o incidente.

O voo em questão fez a ligação Lisboa-Porto, no dia 10 de maio, mas devido à avaria no sistema de abastecimento no Aeroporto Humberto Delgado, o avião chegou ao destino com mais de quatro horas de atraso.

"Recorrendo à AirHelp, o referido passageiro, residente em Matosinhos, procedeu ao pedido de compensação junto da Ryanair, que contestou invocando que a perturbação se deverá a circunstâncias extraordinárias, alheias à companhia aérea. Dada a falta de entendimento, o caso foi submetido a apreciação do Tribunal", explicou a AirHelp, em comunicado.

Segundo a empresa, a sentença do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa confirmou que o problema de fornecimento de combustível não poderia ser considerado uma circunstância extraordinária, com base no regulamento europeu EC261 e que a Ryanair não provou ter tomado todas as medidas razoáveis para evitar o atraso.

Ou seja, a companhia não seguiu exemplos de outras transportadoras que solicitaram deslocar-se ao aeroporto de Faro para abastecer. "Também não alegou que tivesse oferecido uma alternativa de transporte que permitisse ao passageiro chegar ao destino com um atraso inferior ao que resultou", acrescenta.

A AirHelp recordou que os passageiros cujos voos tenham sofrido perturbações no seguimento do problema de abastecimento verifiquem se estão elegíveis para eventuais compensações, pois poderão receber até 600 euros por pessoa e poderão recorrer no período de até três anos após a ocorrência.

O regulamento europeu EC261 prevê que os passageiros aéreos sejam compensados financeiramente pelas companhias aéreas em caso de cancelamento do voo, impedimento de embarque ou atraso igual ou superior a três horas. Neste caso, os passageiros têm direito a uma compensação, a não ser que o incidente se deva a circunstâncias extraordinárias, como greves, condições meteorológicas ou atos de terrorismo.

No passado dia 24, em audição em comissão parlamentar, o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, disse que o processo ainda não está concluído, estando apuradas as "condições técnicas" da ocorrência, mas faltam conclusões sobre uma "alteração definitiva da situação".

"Acreditamos que temos conclusões seguras e responsabilidades jurídicas disponibilizadas em breve", afirmou aos deputados sobre o incidente de maio do ano passado, no Aeroporto de Lisboa, que afetou mais de 41 mil pessoas.

A falha no sistema de abastecimento de combustível ocorrida em 10 de maio no Aeroporto de Lisboa afetou 41.681 pessoas, levou ao cancelamento de 97 voos, 202 descolaram com atraso e 12 tiveram de divergir para outros locais.

O sistema de abastecimento de combustível ao aeroporto de Lisboa é da responsabilidade do GOC (Grupo Operacional de Combustíveis, liderado pela Petrogal e que reúne as principais petrolíferas).

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.