Ryanair tem de explicar contratações em dias de greve

Autoridade para as Condições de Trabalho pediu explicações à transportadores e às duas empresas que contratam pessoal sobre a forma como lidaram com a greve de março e abril. Espera respostas

A Autoridade para as Condições de Trabalho quer explicações da Ryanair, Workforce e Crewlink sobre irregularidades que podem ter sido cometidas pelas três empresas durante a greve que os tripulantes de cabine portugueses cumpriram nos dias 29 de março e 1 e 4 de abril.

Numa resposta ao DN sobre inspeções efetuadas às tripulações da Ryanair que descolam ou aterram em Portugal durante os dois dias de greve que decorrem estas quarta e quinta-feira em Portugal, Espanha e Bélgica, a ACT adiantou que na primeira greve decretada por tripulantes nacionais da empresa foram detetadas irregularidades "em matéria de substituição de trabalhadores grevistas".

Perante essa situação foram pedidos esclarecimentos à transportadora e às duas empresas de contratação de trabalhadores sobre as suas práticas.

Segundo a ACT "após análise da documentação enviada pelas três empresas, recebida em maio de 2018, considerou-se necessário solicitar esclarecimentos complementares às mesmas empresas".

Acrescenta a entidade responsável pela fiscalização das condições de trabalho que aguardar "o envio de informação complementar solicitada, após o que procederá à sua análise e conclusão da intervenção inspetiva".

Nesse documento é explicado que "foram desenvolvidas pela ACT um conjunto de outras diligências para apuramento de todos os factos, nomeadamente junto do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil e outras entidades do setor da aviação civil".

Questionada pelo DN, a Ryanair adiantou que está a analisar os pedidos efetuados pela Autoridade para as Condições de Trabalho e que "providenciou a informação requerida".

Voos cancelados

Neste segundo dia de paralisação a Ryanair garantiu não existir perturbações nos voos previstos. Na rede social Twitter a companhia pede desculpa ao "50,000 belgas, espanhóis e portugueses cujos voos foram cancelados na quarta-feira (tal como a todos os que viram os voos alterados) devido a uma greve de algumas tripulações de cabine nesses países. Não há problemas nesses países e hoje todos os voos estão a ser cumpridos".

Versão diferente tem o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil. À Lusa fonte desta entidade garantiu que "sete dos voos planeados foram cancelados no Porto, em Faro foram todos cancelados, ou seja, sete em sete, e em Lisboa estão três cancelados dos cinco planeados".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.