Rui Rio: Se Carlos Costa participou nas decisões ruinosas da CGD devia abdicar

O presidente do PSD disse concordar que Carlos Costa seja o primeiro a ser ouvido na futura comissão parlamentar de inquérito sobre o banco público.

O presidente do PSD, Rui Rio, afirmou hoje que o governador do Banco de Portugal "sabe exatamente o que fez" quando foi administrador da Caixa Geral de Depósitos e deve avaliar se tem condições para se manter no cargo.

"Se estiver com a consciência completamente tranquila, então fica no lugar, vai à comissão de inquérito e está à vontade porque nada vai aparecer. Se assim não é, se tem a consciência de que participou naquelas decisões ruinosas, entendo que devia sair pelo próprio pé", defendeu, considerando que o pior que podia acontecer" é ser a comissão de inquérito a verificar a participação de Carlos Costa nessas decisões, sem que o governador as tivesse assumido.

Questionado pelos jornalistas, no final de uma reunião com sindicatos de professores, na sede nacional do PSD, sobre a situação do governador do Banco de Portugal, Rio considerou que Carlos Costa está "obviamente" fragilizado.

"A última coisa que sou é hipócrita, obviamente que neste momento o governador do Banco de Portugal está numa situação fragilizada, dizer o contrário seria hipócrita", afirmou.

O presidente do PSD disse concordar que Carlos Costa seja o primeiro a ser ouvido na futura comissão parlamentar de inquérito sobre o banco público, e salientou que o governador "conhece bem os critérios do Banco de Portugal e do Banco Central Europeu" e está em condições de saber se o que fez "encaixa ou não nos parâmetros de idoneidade a que recorre para avaliar os outros".

"Se o que fez não está dentro desses parâmetros, em nome da defesa do Banco de Portugal, dele próprio, e do país, devia abdicar", considerou.

Por outro lado, defendeu, se Carlos Costa considera que cumpre esses parâmetros "deve continuar".

O líder do PSD foi ainda mais específico: "Se sabe o que fez e participou em créditos que se deram a pessoas, sem qualquer garantia, para comprar ações da Cimpor e do BCP, se participou por exemplo nessas decisões, na minha posição isso é insustentável".

Leia o artigo completo no Dinheiro Vivo

Ler mais

Exclusivos