Portugal mantém 3.ª maior dívida pública da UE no primeiro trimestre

Portugal continua a registar a terceira maior dívida em percentagem do PIB (126,4%), depois da Grécia (180,4%) e de Itália (13,4%)

A dívida pública fixou-se nos 86,8% do PIB na zona euro e nos 81,6% na União Europeia (UE), no primeiro trimestre, com Portugal a manter a terceira maior (126,4%), divulga esta sexta-feira o Eurostat.

De acordo com o gabinete de estatísticas da UE, na zona euro, a dívida pública aumentou ligeiramente face aos 86,7% do trimestre anterior, mas recuou na comparação com os primeiros três meses de 2017, quando atingiu os 89,2% do Produto Interno Bruto (PIB).

No conjunto os 28 Estados-membros, a dívida pública recuou para os 81,5%, face à de 81,6% do trimestre anterior, quer à de 83,6% do homólogo.

Portugal continua a registar a terceira maior dívida em percentagem do PIB (126,4%), depois da Grécia (180,4%) e de Itália (13,4%), enquanto as menores se observaram na Estónia (8,7% do PIB), no Luxemburgo (22,2%) e na Bulgária (24,1%).

A dívida pública portuguesa recuou, entre janeiro e março, 3,7 pontos percentuais face à de 130,1% do PIB registada no período homólogo e aumentou 0,7 pontos na comparação com a de 125,7% do PIB do quatro trimestre de 2017

De acordo com o gabinete de estatísticas da UE, na comparação homóloga, só a Grécia viu a sua dívida pública aumentar em relação ao PIB nos primeiros três meses do ano (2,7 pontos percentuais), tendo os recuos mais significativos sido observados em Chipre (-11,3 pp), na Irlanda (-6,5 pp) e na Croácia (-6,4 pp).

Já face ao quarto trimestre de 2017, a Bélgica foi o país cuja dívida mais cresceu (2,9 pontos percentuais), seguindo-se a Grécia (1,8 pp) e a Itália (1,6 pp), tendo as maiores quebras sido registadas na Letónia (-4,4 pp), na Lituânia (-3,5 pp) e em Chipre (-2,8 pp).

A dívida pública portuguesa recuou, entre janeiro e março, 3,7 pontos percentuais face à de 130,1% do PIB registada no período homólogo e aumentou 0,7 pontos na comparação com a de 125,7% do PIB do quatro trimestre de 2017.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.