Os bons alunos querem emigrar

O que querem fazer os melhores alunos de Gestão e Economia após o ensino superior? O que pensam do mercado de trabalho nacional?

Muitos dos finalistas de Gestão e Economia com quem o Dinheiro Vivo falou querem sair do país após terminar o curso superior ou o mestrado. Apesar de alguns admitirem querer ir, mas voltar após alguns anos de experiência ou estudos no estrangeiro, a maior parte dos alunos com melhores médias ou que se tenham destacado no seu ano não esperam muito do mercado de trabalho nacional.

"Para nós estudantes é como se caminhássemos rumo à incerteza. Fomos sendo informados das adversidades, dos cursos que não têm saída e dos empregos que vão acabar", diz, realista, Laura Quelhas, finalista de Gestão da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. A jovem de 21 anos da Guarda não concorda com quem escolhe o curso apenas pelas "saídas profissionais", ignorando o que gosta de fazer. "Sempre defendi que só tínhamos de ser bons no que escolhíamos fazer e gostar verdadeiramente disso."

O mestrado e o estágio são obrigações e não opções. Pelo menos é assim para alguns. É o caso de Daniel dos Santos, finalista de Economia na Faculdade de Economia da Universidade do Porto (FEUP), que se prepara para entrar no mestrado em Economia na mesma universidade e conciliar com um estágio no segundo ano.

Também ele está aberto a sair do país. "Um dos meus objetivos é trabalhar no Banco Central Europeu." Já foi contactado por empresas de auditoria, consultoria e fundações, não tivesse terminado com média de 18 valores.

Também com 18 valores terminaram Leonor Santos, finalista de Gestão, e Daniel Marques, de Economia, ambos da Universidade do Porto. Leonor, de Cantanhede, vai fazer o mestrado em Finanças e é dos poucos estudantes contactados que não temem a emigração, mas espera encontrar trabalho na sua área em Portugal. Acredita que se for proativa e empenhada consegue atingir os seus objetivos. "Existem empresas de grande qualidade estabelecidas em Portugal, com as quais gostaria de trabalhar e sentir-me-ia realizada."

Já Daniel, de Santo Tirso, vai fazer o mestrado em Economia e depois não coloca de lado a possibilidade de vir a trabalhar no estrangeiro. "Já pensei em alguns países, como os Estados Unidos e o Reino Unido, devido à importância dos seus centros financeiros, bem como na Alemanha, pela aposta forte que faz na indústria.

Uma das opiniões partilhadas é que a oferta daqueles empregos que são mais procurados pelos melhores alunos de Gestão, como consultoria e banca de investimento, é escassa em Portugal. "Banca de investimento é praticamente inexistente", defende Luís Santos, formado em Gestão pela Nova SBE. Aos 22 anos já tem emprego certo em Lisboa: foi contratado pela The Boston Consulting Group, consultora onde, após o curso, tinha feito um estágio de verão.

Joana da Silva concorda. A finalista em Gestão na Católica Lisbon School of Business & Economics destaca: "Certas áreas como a banca de investimento estão muito pouco desenvolvidas em Portugal." No seu caso, está interessada em consultoria, área em que diz haver "boas oportunidades" cá dentro.

Luís Santos. Licenciado em Gestão pela Nova SBE

"Para já não penso sair do país. Depois do mestrado juntar-me-ei à The Boston Consulting Group [BCG]." A entrada na consultora internacional começou com um estágio de verão em Lisboa. No início deste ano letivo começou o mestrado em Finanças na Nova SBE, ao mesmo tempo que dava aulas, como assistente (teaching assistant), nos cursos de licenciatura.

Depois dos estudos completos, os seus planos são começar a trabalhar no escritório de Lisboa da BCG, o que, segundo diz, "me permite ter uma exposição internacional, enquanto estou no nosso fantástico país".

O aluno de 22 anos defende que "os empregos mais procurados pelos melhores alunos de Gestão, como consultoria e banca de investimento, têm uma oferta escassa em Portugal", e reforça: "Banca de investimento é praticamente inexistente."

Como procura trabalho? "Dirijo-me de forma seletiva e direcionada às empresas com as quais quero trabalhar; e candidatando-me no seguimento das habituais intermediações feitas pela Nova SBE. As p

João Franco. Finalista de Gestão da Nova SBE

No último semestre da licenciatura, João Franco pensou parar um ano para trabalhar no estrangeiro. Mas "com a possibilidade de vir a ser monitor ou teaching assistant, decidi continuar a estudar na Nova SBE na área de Finanças. Foi a decisão mais acertada, pois terei a oportunidade de cumprir o sonho de ensinar e de, ao mesmo tempo, explorar novas áreas de conhecimento, sempre com a praia como companheira." Contudo, não exclui a hipótese de ter uma experiência no estrangeiro. "Trabalhar na Alemanha é uma experiência que gostaria de ter."

Apesar de reconhecer que em Portugal o cenário não é tão negativo como há dez anos, não considera haver boas condições de trabalho para recentes licenciados. É essencial o trabalho que os alunos fazem pelo mundo fora. "Pode ser que as empresas estabelecidas em Portugal consigam finalmente reconhecer o grande talento que o aluno português possui, quer seja de Gestão ou de outra área."

Na pesquisa de trabalho, entrou em contacto com diversas entidades através do Business Forum da Nova SBE, mas também através de "palestras de empresas que que querem dar a conhecer-se à Nova SBE." O resultado: "Iniciei o processo de recrutamento numa das empresas de consultoria de maior renome em Portugal, onde acabei por estagiar neste verão de 2018."

Joana da Silva. Finalista de Gestão da Católica Lisboa School

"O próximo passo é continuar a estudar: vou iniciar o mestrado em Finanças em setembro. "Sendo muito jovem e com falta de experiência, um mestrado vai ser uma mais-valia." Tem planos para sair do país? "Vai depender das oportunidades e também do meu contexto pessoal. Há cidades como Londres, onde sempre tive muita vontade de viver durante uns anos. Mas a longo prazo pretendo regressar a Portugal e enraizar-me aqui. Portugal oferece uma qualidade de vida de excelência e é aqui que está a minha família.

"Em Portugal existem oportunidades para aqueles que são bons naquilo que fazem e que estão dispostos a trabalhar. Certas áreas como a banca de investimento estão muito pouco desenvolvidas, o que obriga a sair do país para construir uma carreira mais dinâmica. Neste momento estou mais interessada em consultoria e, felizmente, há boas oportunidades em Portugal nesta área."

"Já fui contactada por algumas empresas que me convidaram para cocktails e outros eventos para iniciar um processo de recrutamento." A aproximação das entidades empregadoras foi sempre feita por e-mail . De que forma procura novas oportunidades? "Quando procurei um estágio de verão usei a plataforma da Católica-Lisbon e o LinkedIn."

Inês Couto. Finalista de Economia do ISEG

Vai iniciar o mestrado em Econometria Aplicada e Previsão no ISEG no próximo ano letivo porque acredita que esse é o melhor caminho para conseguir o futuro profissional que ambiciona: "o ensino e a investigação." Mas, para ter esse emprego ideal, Inês Couto quer ganhar experiência profissional em consultoria, área em que já fez estágios.

"Gostava de sair do país para fazer o doutoramento, mas esse é um objetivo a médio prazo e ainda pouco definido. Ao nível do mercado de trabalho, sair do país não é uma prioridade, no entanto, se houver uma oportunidade que o justifique não fecho a porta", diz a finalista do curso de Economia do ISEG.

Inês Couto considera que o mercado de trabalho em Portugal é extremamente competitivo, e que essa é uma ideia incutida desde cedo. "Quando terminamos o nosso percurso académico percebemos que essa é mesmo uma realidade. No entanto, o mesmo mercado, que nos obriga a lutar para chegar onde queremos, oferece-nos ótimas oportunidades que temos de saber aproveitar. Eu acredito que o mercado sabe valorizar as competências que temos, e que isso se reflete nas oportunidades de trabalho que surgem."

Diana Salpico. Finalista de Gestão do ISEG

Neste momento está à procura de um estágio para, como conta ao Dinheiro Vivo, "pôr em prática os conhecimentos que adquiri ao longo do curso". Apesar de querer continuar a estudar no futuro, Diana Salpico decidiu adiar essa decisão para o próximo ano. "Parece-me mais acertado ter algumas experiências antes de me especializar numa certa área."

"Tenciono sair do país por breves meses, preferencialmente para um país na Europa." A ideia é desafiar-se a si própria, aprender a viver e a trabalhar com pessoas de culturas diferentes, alargando a sua visão do mundo.

Sobre o mercado de trabalho nacional, a finalista de Gestão do ISEG está otimista: "Existe muita procura de recém-licenciados nas áreas de negócios para programas de estágios remunerados. Estou confiante em que vou encontrar um trabalho de que goste e remunerado em Portugal."

De que forma procura trabalho? "Pesquiso principalmente nos sites das empresas com vagas disponíveis que me interessam e contacto as entidades empregadoras diretamente - o que já aconteceu algumas vezes. Normalmente envio um e-mail ou uma mensagem no LinkedIn para saber mais sobre a posição e sobre a empresa."

Diogo Bárbara. Finalista de Economia da ISCTE Business School

Terminada a licenciatura irei agora prosseguir para o mestrado dentro da Economia. "Ter apenas uma licenciatura deixa-nos algumas lacunas, quer a nível de aprendizagens, teóricas, práticas e aprofundadas, quer a nível de maturidade. Mais tempo a estudar dá-nos uma visão mais regeneradora, simplicista e prática para solucionar problemas."

Pensa sair do país? "No meu íntimo aceitaria uma proposta para trabalhar numa grande organização internacional, como na Comissão Europeia ou na Organização Internacional do Trabalho. No entanto, por convicção e por gosto, gostava de retribuir ao meu país aquilo que investiu em mim. Faço parte de uma geração muito bem preparada e considero que tenho o dever moral de contribuir para o desenvolvimento de Portugal."

"Creio que o mercado de trabalho está a mudar, tanto a nível global como em Portugal. Cada vez mais se olha para a pessoa em si, o seu trajeto, a sua capacidade de resolução em sistemas complexos. Quem procura sempre alcança e os recrutadores estão cada vez mais ativos em ter consigo colaboradores adequados à exigência de certos desafios. Isto embora o mercado de trabalho continue com grandes problemas de absorção de jovens, salários justos e a tradicional bicefalia entre Lisboa e o Porto."

Diogo Melo. Finalista de Economia da Universidade de Coimbra

Durante a licenciatura investiu em várias atividades associativas e extracurriculares: foi embaixador do empreendedorismo da universidade, secretário-geral de uma associação entre Portugal e a China e dirigente associativo na Associação Académica de Coimbra. "Estas oportunidades de evolução pessoal surgem como um complemento no meu currículo." Na Babson College, em Boston fez uma pós-graduação em Empreendedorismo e Negociação, um prémio que recebeu da Universidade de Coimbra por ter sido eleito "empreendedor do ano".

"O mercado de trabalho em Portugal não está preparado para a inserção dos jovens licenciados. É um mercado de PME onde o mais importante são os resultados a curto prazo e onde a organização nem sempre é a melhor." Gostava de trabalhar nos EUA, um país onde se "incentiva os jovens a desenvolverem os seus próprios negócios e a alcançarem os seus sonhos".

Enquanto coordenador das Saídas Profissionais da Universidade de Coimbra, organizou uma feira de emprego onde estava a Microsoft e que conseguiu um estágio nesse ano para uma aluna de Economia. "O percurso curricular ao longo da minha licenciatura permitiu-me criar uma boa rede de contactos no mercado de trabalho, quebrando barreiras que normalmente existem entre o estudante e o empregador."

Soraia Rei. Finalista de Gestão da Universidade do Porto

"Após a licenciatura continuarei a estudar. Sair do país é, de facto, uma opção. Apesar de Portugal ser um país seguro, confortável e a nossa casa, fora das fronteiras há um leque de oportunidades que não temos cá. Assim, quem sabe se, num país europeu como a França, a Bélgica ou a Alemanha, não aparecerão oportunidades únicas e irrecusáveis?", considera Soraia Rei.

Acredita que, como a faculdade de Economia da Universidade do Porto (FEUP) é muito prestigiada, não será difícil encontrar trabalho, apesar de não esperar mais do que "condições mínimas", dada a sua "falta de experiência profissional", admite.

Durante a Pool de Talentos, um concurso da própria universidade que distingue estudantes de elevado potencial, a finalista de Gestão da Universidade de Economia do Porto teve várias oportunidades para contactar diretamente representantes de boas empresas que faziam parte do júri.

É presidente da EXUP, uma das organizações estudantis da FEUP que promove a aproximação dos estudantes ao mundo do trabalho.

Mas foi numa apresentação que o Banco de Portugal fez na faculdade que ficou a conhecer o estágio de verão na Central de Balanços a que acabou por concorrer e realizar durante o segundo ano do curso.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos