Juros dos empréstimos para compra de casa vão começar a subir

As taxas Euribor, a mínimos históricos, deverão sair de valores negativos este ano. Portugueses são dos mais vulneráveis à subida dos juros.

É um alívio para quem tem crédito à habitação e uma dor de cabeça para quem quer tirar rendimento de depósitos. O ciclo de quedas das Euribor, todavia, está prestes a chegar ao fim. No próximo ano, a maior parte destas taxas, que servem de referência para o valor da prestação do crédito à habitação e dos depósitos, deverão deixar de ter valores negativos. "As Euribor deverão iniciar ciclos de subida entre o atual e o próximo trimestres", referem os economistas do Montepio numa análise a que o DN/Dinheiro Vivo teve acesso.

A Euribor a seis meses, a mais utilizada nos créditos à habitação em Portugal, está atualmente ao mínimo histórico de -0,278%. Mas este indexante deverá subir para -0,16% no final do ano, segundo as taxas implícitas no mercado e nas estimativas do Montepio. O indexante a seis meses, que está em valores negativos desde novembro de 2015, deverá regressar a níveis positivos já no segundo trimestre do próximo ano.

Na taxa a 12 meses, a que tem sido mais utilizada nos novos créditos, os juros acima de 0% devem chegar ainda este ano. Tanto as taxas implícitas no mercado como as estimativas do Montepio apontam para um valor de 0,02% no final de 2018. Atualmente está em -0,191%. Já o indexante a três meses apenas deverá regressar a valores positivos no último trimestre de 2019.

Estes mínimos das Euribor permitiram, em termos médios, cortar para metade a taxa de juro implícita no mercado à habitação nos últimos cinco anos. Em 2017, foi de 1,02%, segundo dados recentes do Instituto Nacional de Estatística (INE); em 2012 tinha sido de 2,19%.

Mas já não aparenta existir mais margem para alívios no orçamento de quem tem créditos a taxa variável. À medida que o Banco Central Europeu for indicando o fim dos estímulos, o mercado vai começar a incorporar nas Euribor o início da subida das taxas definidas pela instituição liderada por Mario Draghi. Após o fim do programa alargado de compra de ativos, que deverá terminar este ano, o próximo passo do Banco Central Europeu será começar, de forma gradual, a subir o preço do dinheiro.

Os economistas do Montepio preveem que "a primeira subida ocorra no segundo trimestre de 2019, de 0% para 0,25%". E antecipam que até 2027 a taxa de referência do Banco Central Europeu suba até 3%, arrastando subidas da Euribor.

O início do ciclo de subidas das taxas Euribor pode afetar mais as famílias portuguesas do que as europeias. "De um modo geral, as famílias portuguesas encontram-se muito mais vulneráveis a alterações das taxas de juro de curto prazo do que as congéneres do conjunto da área, dado que uma parte mais significativa dos empréstimos que contraíram no passado foi a taxa variável (isto é, indexada à Euribor)", avisou o Banco de Portugal no último Relatório de Estabilidade Financeira, divulgado em dezembro.

A instituição liderada por Carlos Costa observou que o período das Euribor negativas contribuiu "para uma redução significativa do esforço com o serviço da dívida, a qual tem sido parcialmente convertida em consumo". Mas mostrou alguma apreensão sobre a resistência financeira dos portugueses em fazerem face a subidas das taxas de juro. "A capacidade de ajustamento a choques não antecipados das famílias endividadas poderá ser substancialmente comprometida num quadro de retorno, ainda que gradual, à normalidade da política monetária."

O Banco de Portugal relembra que metade dos orçamentos de famílias endividadas com rendimentos baixos vai para o serviço de dívida. E conclui: "Estas famílias estarão numa situação especialmente vulnerável" quando as taxas de juro começarem a aumentar.

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".