Juros dos empréstimos para compra de casa vão começar a subir

As taxas Euribor, a mínimos históricos, deverão sair de valores negativos este ano. Portugueses são dos mais vulneráveis à subida dos juros.

É um alívio para quem tem crédito à habitação e uma dor de cabeça para quem quer tirar rendimento de depósitos. O ciclo de quedas das Euribor, todavia, está prestes a chegar ao fim. No próximo ano, a maior parte destas taxas, que servem de referência para o valor da prestação do crédito à habitação e dos depósitos, deverão deixar de ter valores negativos. "As Euribor deverão iniciar ciclos de subida entre o atual e o próximo trimestres", referem os economistas do Montepio numa análise a que o DN/Dinheiro Vivo teve acesso.

A Euribor a seis meses, a mais utilizada nos créditos à habitação em Portugal, está atualmente ao mínimo histórico de -0,278%. Mas este indexante deverá subir para -0,16% no final do ano, segundo as taxas implícitas no mercado e nas estimativas do Montepio. O indexante a seis meses, que está em valores negativos desde novembro de 2015, deverá regressar a níveis positivos já no segundo trimestre do próximo ano.

Na taxa a 12 meses, a que tem sido mais utilizada nos novos créditos, os juros acima de 0% devem chegar ainda este ano. Tanto as taxas implícitas no mercado como as estimativas do Montepio apontam para um valor de 0,02% no final de 2018. Atualmente está em -0,191%. Já o indexante a três meses apenas deverá regressar a valores positivos no último trimestre de 2019.

Estes mínimos das Euribor permitiram, em termos médios, cortar para metade a taxa de juro implícita no mercado à habitação nos últimos cinco anos. Em 2017, foi de 1,02%, segundo dados recentes do Instituto Nacional de Estatística (INE); em 2012 tinha sido de 2,19%.

Mas já não aparenta existir mais margem para alívios no orçamento de quem tem créditos a taxa variável. À medida que o Banco Central Europeu for indicando o fim dos estímulos, o mercado vai começar a incorporar nas Euribor o início da subida das taxas definidas pela instituição liderada por Mario Draghi. Após o fim do programa alargado de compra de ativos, que deverá terminar este ano, o próximo passo do Banco Central Europeu será começar, de forma gradual, a subir o preço do dinheiro.

Os economistas do Montepio preveem que "a primeira subida ocorra no segundo trimestre de 2019, de 0% para 0,25%". E antecipam que até 2027 a taxa de referência do Banco Central Europeu suba até 3%, arrastando subidas da Euribor.

O início do ciclo de subidas das taxas Euribor pode afetar mais as famílias portuguesas do que as europeias. "De um modo geral, as famílias portuguesas encontram-se muito mais vulneráveis a alterações das taxas de juro de curto prazo do que as congéneres do conjunto da área, dado que uma parte mais significativa dos empréstimos que contraíram no passado foi a taxa variável (isto é, indexada à Euribor)", avisou o Banco de Portugal no último Relatório de Estabilidade Financeira, divulgado em dezembro.

A instituição liderada por Carlos Costa observou que o período das Euribor negativas contribuiu "para uma redução significativa do esforço com o serviço da dívida, a qual tem sido parcialmente convertida em consumo". Mas mostrou alguma apreensão sobre a resistência financeira dos portugueses em fazerem face a subidas das taxas de juro. "A capacidade de ajustamento a choques não antecipados das famílias endividadas poderá ser substancialmente comprometida num quadro de retorno, ainda que gradual, à normalidade da política monetária."

O Banco de Portugal relembra que metade dos orçamentos de famílias endividadas com rendimentos baixos vai para o serviço de dívida. E conclui: "Estas famílias estarão numa situação especialmente vulnerável" quando as taxas de juro começarem a aumentar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.