Juros dos empréstimos para compra de casa vão começar a subir

As taxas Euribor, a mínimos históricos, deverão sair de valores negativos este ano. Portugueses são dos mais vulneráveis à subida dos juros.

É um alívio para quem tem crédito à habitação e uma dor de cabeça para quem quer tirar rendimento de depósitos. O ciclo de quedas das Euribor, todavia, está prestes a chegar ao fim. No próximo ano, a maior parte destas taxas, que servem de referência para o valor da prestação do crédito à habitação e dos depósitos, deverão deixar de ter valores negativos. "As Euribor deverão iniciar ciclos de subida entre o atual e o próximo trimestres", referem os economistas do Montepio numa análise a que o DN/Dinheiro Vivo teve acesso.

A Euribor a seis meses, a mais utilizada nos créditos à habitação em Portugal, está atualmente ao mínimo histórico de -0,278%. Mas este indexante deverá subir para -0,16% no final do ano, segundo as taxas implícitas no mercado e nas estimativas do Montepio. O indexante a seis meses, que está em valores negativos desde novembro de 2015, deverá regressar a níveis positivos já no segundo trimestre do próximo ano.

Na taxa a 12 meses, a que tem sido mais utilizada nos novos créditos, os juros acima de 0% devem chegar ainda este ano. Tanto as taxas implícitas no mercado como as estimativas do Montepio apontam para um valor de 0,02% no final de 2018. Atualmente está em -0,191%. Já o indexante a três meses apenas deverá regressar a valores positivos no último trimestre de 2019.

Estes mínimos das Euribor permitiram, em termos médios, cortar para metade a taxa de juro implícita no mercado à habitação nos últimos cinco anos. Em 2017, foi de 1,02%, segundo dados recentes do Instituto Nacional de Estatística (INE); em 2012 tinha sido de 2,19%.

Mas já não aparenta existir mais margem para alívios no orçamento de quem tem créditos a taxa variável. À medida que o Banco Central Europeu for indicando o fim dos estímulos, o mercado vai começar a incorporar nas Euribor o início da subida das taxas definidas pela instituição liderada por Mario Draghi. Após o fim do programa alargado de compra de ativos, que deverá terminar este ano, o próximo passo do Banco Central Europeu será começar, de forma gradual, a subir o preço do dinheiro.

Os economistas do Montepio preveem que "a primeira subida ocorra no segundo trimestre de 2019, de 0% para 0,25%". E antecipam que até 2027 a taxa de referência do Banco Central Europeu suba até 3%, arrastando subidas da Euribor.

O início do ciclo de subidas das taxas Euribor pode afetar mais as famílias portuguesas do que as europeias. "De um modo geral, as famílias portuguesas encontram-se muito mais vulneráveis a alterações das taxas de juro de curto prazo do que as congéneres do conjunto da área, dado que uma parte mais significativa dos empréstimos que contraíram no passado foi a taxa variável (isto é, indexada à Euribor)", avisou o Banco de Portugal no último Relatório de Estabilidade Financeira, divulgado em dezembro.

A instituição liderada por Carlos Costa observou que o período das Euribor negativas contribuiu "para uma redução significativa do esforço com o serviço da dívida, a qual tem sido parcialmente convertida em consumo". Mas mostrou alguma apreensão sobre a resistência financeira dos portugueses em fazerem face a subidas das taxas de juro. "A capacidade de ajustamento a choques não antecipados das famílias endividadas poderá ser substancialmente comprometida num quadro de retorno, ainda que gradual, à normalidade da política monetária."

O Banco de Portugal relembra que metade dos orçamentos de famílias endividadas com rendimentos baixos vai para o serviço de dívida. E conclui: "Estas famílias estarão numa situação especialmente vulnerável" quando as taxas de juro começarem a aumentar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.