Famílias com 4 mil euros já fazem contas para comprar casa no centro de Lisboa

Subida dos preços na capital dificulta compra de casa a crédito mesmo para famílias com rendimentos acima da média

Entre o Cais do Sodré e o Príncipe Real, em Lisboa, há um tesouro que se estende aos pés de quem passa. Cada metro quadrado do chão que separa as duas praças vale 6050 euros. A Freguesia da Misericórdia é a mais cara do país, e comprar lá casa está hoje ao alcance de poucas famílias. Em particular se for necessário recorrer ao crédito.

As simulações são da plataforma de comparação de preços Compara Já. Com base nos dados fornecidos pela Confidencial Imobiliário, o portal fez as contas e concluiu que uma família que leve para casa quatro mil euros líquidos por mês só conseguiria obter financiamento para comprar uma casa de 120 metros quadrados em metade das 24 freguesias da capital. Nas restantes, o acesso ao crédito seria travado ou dificultado pelo banco, por ultrapassar a taxa de esforço recomendada. O Banco de Portugal aconselha uma taxa de esforço máxima de 50%. Já os bancos aceitam, em geral, uma taxa máxima de 40% ou um terço do rendimento total do agregado familiar.

Nas três principais freguesias da Baixa lisboeta, a taxa de esforço para um empréstimo a 25 anos, com uma entrada inicial de 20% do valor do imóvel e uma taxa de juro média de 2,3%, ultrapassa os 60%.

"Em Lisboa, notamos que a taxa de esforço é uma das grandes dificuldades para quem tenta comprar casa porque o banco não aprova os créditos. Se as famílias não tiverem capital próprio ou salários líquidos muito elevados não conseguem, neste momento, comprar casa no centro", sublinha Sérgio Pereira, CEO do Compara Já, em declarações ao DN/Dinheiro Vivo.

Os quatro mil euros que o Compara Já usou como referência já estão acima da média dos rendimentos dos portugueses. Segundo os dados mais recentes do Ministério do Trabalho, que remontam a 2016, o salário médio de um trabalhador por conta de outrem ascende a 1107,86 euros. Para os residentes na Área da Grande Lisboa a fasquia sobe para os 1388 mensais.

"Esta é uma tendência das grandes cidades. No centro de Londres, Paris ou Frankfurt o cenário é muito semelhante. Nessas cidades, uma família com um salário equivalente também não consegue comprar casa no centro. Lisboa está agora a chegar a esse patamar. Não acho que esta situação seja uma bolha que vá rebentar. O paradigma mudou. A subida dos preços até pode abrandar, porque não será sustentável continuar a crescer a este ritmo, mas temos de aceitar que Lisboa entrou neste campeonato e vai manter-se nele de agora em diante", afirma Sérgio Pereira.

No centro histórico de Lisboa, o preço do metro quadrado disparou 67% numa década. Nos piores anos da crise, entre 2010 e 2013, os valores até caíram, revela uma análise da Confidencial Imobiliário. Mas desde que bateram no fundo, no primeiro semestre de 2013, os preços já recuperaram 110%.

O CEO da plataforma de comparação de preços considera que a solução para as famílias que procuram casa para comprar passa por "olhar para projetos nos arredores". Para isso, acrescenta Sérgio Pereira, "o governo tem de pensar em criar melhores acessos e mais transportes públicos, porque viver no centro de Lisboa vai ser cada vez mais difícil".

O Compara Já fez a mesma análise para o Porto, onde, para já, a situação é menos crítica para as famílias. A simulação revela que, com os mesmos quatro mil euros, um agregado familiar consegue obter luz verde do banco para um crédito à habitação a 25 anos em todas as sete freguesias da Cidade Invicta.

Ler mais

Exclusivos