Empresas da Zona Franca podem poupar até 41 milhões sem criarem um único emprego

Bruxelas tem "sérias dúvidas" de que regime da Zona Franca da Madeira gere postos de trabalho ou atividade económica na ilha e avisa que pode ser suspenso.

As empresas que mudem sede para a Zona Fraca da Madeira podem, desde 2013, obter uma poupança fiscal máxima de 41 milhões de euros. Só que esse benefício fiscal - enquadrado como auxílio ao desenvolvimento das regiões ultraperiféricas pelas regras europeias - exige a criação de emprego. No caso deste valor máximo, um mínimo de 101 postos de trabalho. O problema, diz a Comissão Europeia, é que não há qualquer garantia de que as empresas o façam.

O aviso não é de hoje - é de julho último - mas só agora é conhecido. Bruxelas diz que pode acionar as regras dos tratados e forçar a suspensão do regime fiscal da Zona Franca da Madeira e a devolução pelas empresas dos milhões em deduções e isenções gozadas ao longo dos anos. Os auxílios dados pelo Estado aos negócios que mudam para a ilha são ilegais, concluiu num ofício dirigido ao governo no ano passado e que só no final desta semana foi tornado público.

No documento, a Comissão Europeia manifesta "sérias dúvidas" de que as isenções fiscais dadas na Madeira se apliquem a lucros obtidos na região e que os apoios resultem na criação ou manutenção de empregos "efetivos" na Madeira. Os poucos dados entregues pelo governo português indiciam, aliás, o contrário: "Demonstram que uma parte dos empregos aos quais foram concedidos benefícios fiscais estava localizada fora da Madeira (alguns mesmo fora da UE)."

"Portugal sistematicamente não fez qualquer distinção entre empregos criados dentro da região, nem mesmo fora de Portugal e da UE", e também não há garantia de que exista qualquer controlo sobre esta condição para acesso aos benefícios, critica Bruxelas.

O ofício dirigido pela comissária europeia da Concorrência, Margrethe Vestager, ao ministro português dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, surge na sequência da investigação à Zona Franca da Madeira, que ainda não teve um desfecho. O documento aponta muitas falhas de informação - falta de dados sobre onde está localizada a atividade dos trabalhadores alegados pelas empresas para acederem aos benefícios fiscais, por exemplo.

Um dado a que Bruxelas chegou, porém, é que 35% da mão-de-obra das empresas beneficiárias nos anos de 2012 e 2013 consistia, na verdade, em administradores não exclusivos, que ao mesmo tempo exerceriam o mesmo cargo em várias outras companhias na mesma situação. E muitos postos de trabalho não serão a tempo completo ou mantidos ao longo do ano.

Apesar disso, as empresas continuam a garantir largos descontos fiscais a lucros não gerados na Madeira. De acordo com os últimos dados da Autoridade Tributária e Aduaneira, em 2017 o desconto máximo atribuído a uma empresa da Zona Franca da Madeira atingiu 19,2 milhões de euros. A beneficiada foi uma empresa de engenharia italiana, a Saipem. O valor foi mais do dobro do que a Volkswagen, maior exportadora nacional, obteve em benefícios fiscais no mesmo ano.

Ainda não há uma decisão final, mas a Concorrência europeia poderá chegar à conclusão de que o regime da Madeira vai contra as regras do mercado interno e ordenar a Portugal que acabe com ele. Ou recorrer ao Tribunal de Justiça da UE para que o país o faça, de acordo com o que prevê o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.