Detetada nova técnica para roubar iPhones

Basta uma mensagem falsa dos serviços da iCloud, depois de se ativar o modo perdido, para que os criminosos possam ter acesso aos dados do utilizador e usar novamente o telemóvel

Uma nova técnica para roubar iPhones foi descoberta depois de uma especialista neste tipo de crimes ter sido vítima dos criminosos. Uma funcionária da Kaspersky, uma empresa de segurança online, perdeu o seu novo iPhone X quando foi ver o Rússia - Espanha, durante o Campeonato do Mundo de futebol de 2018, e acabou por ser vítima de phishing, uma técnica que consiste em obter informação pessoal através de métodos tecnológicos, depois de ativar a funcionalidade "Find my iPhone".

No blogue da empresa, o caso é relatado na primeira pessoa e é uma forma de alerta a todos os utilizadores para o novo perigo.

Depois de se aperceber que tinha perdido o telemóvel, a primeira reação da funcionária da Kaspersky foi ligar para o seu iPhone de um aparelho diferente. Do outro lado, alguém desligou o telefone segundos depois de começar o sinal de chamada. Foi aqui que percebeu que o telefone não estava perdido, mas que tinha sido roubado.

Foi também nesta altura que se lembrou da aplicação Find my iPhone. "Só precisava de ativar o Modo Perdido e rastrear o aparelho", conta. "Pode usar a aplicação para bloquear o dispositivo e ativar o Modo Perdido com a mensagem: 'este iPhone foi perdido. Por favor ligue-me". A mensagem com um número de contacto é enviada. "Pode ver ainda o telefone num mapa (se não estiver desligado)", acrescenta.

Mas, ainda sem saber, a situação não melhorou, bem pelo contrário, embora esta funcionalidade possa ajudar a recuperar um telemóvel perdido ou roubado.

"Sim, os incidentes de phishing fazem parte da minha rotina. Sim, escrevo todos os dias sobre os mais recentes cibercrimes e esquemas. Mas naquele momento eu estava em pânico e a agarrar qualquer oportunidade de recuperar o meu telefone, sem pensar no que estava a fazer"

Uma hora depois de ter ativado o Modo Perdido recebeu uma mensagem falsa dos serviços da iCloud. No texto era referido que o cartão SIM tinha sido identificado e remetia para o acesso a um link que daria ao utilizador a geolocalização do seu iPhone. Na ânsia de recuperar o telemóvel perdido, a funcionária da Kaspersky não olhou com atenção para a mensagem e fez o que era sugerido no texto. Conclusão: foi vítima de phishing e todos os dados de utilizador foram partilhados com os cibercriminosos, que assim puderam desbloquear o aparelho. O telemóvel voltou a funcionar, mas não nas mãos do seu proprietário.

"Sim, trabalho na Kaspersky e os incidentes de phishing fazem parte da minha rotina. Sim, escrevo todos os dias sobre os mais recentes cibercrimes e esquemas. Mas naquele momento eu estava em pânico e a agarrar qualquer oportunidade de recuperar o meu telefone, sem pensar no que estava a fazer", admitiu.

Acedeu ao falso link da iCloud com o seu login e a password, mas dava sempre erro. Voltou a tentar. Nova mensagem de erro. Voltou a olhar para a mensagem que tinha recebido e percebeu o erro que cometeu. "A SMS de phishing atraiu-me para um link falso da iCloud, no qual eu entreguei as minhas credenciais aos cibercriminosos", relatou. "Com os meus dados, eles imediatamente desativaram a função de pesquisa no meu dispositivo. Através do iCloud, eles também poderiam apagar todas as informações contidas no aparelho (tudo o que eles precisavam era o login e a password do iCloud que eu tinha acabado de lhes dar)".

Conta que depois de formatar o telemóvel roubado, os criminosos podiam ter um "iPhone X praticamente limpo, que poderia receber um novo PIN e ser revendido". Além de não aceder a link falsos, esta mulher aconselha as pessoas a ter uma autenticação de dois fatores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.