Detetada nova técnica para roubar iPhones

Basta uma mensagem falsa dos serviços da iCloud, depois de se ativar o modo perdido, para que os criminosos possam ter acesso aos dados do utilizador e usar novamente o telemóvel

Uma nova técnica para roubar iPhones foi descoberta depois de uma especialista neste tipo de crimes ter sido vítima dos criminosos. Uma funcionária da Kaspersky, uma empresa de segurança online, perdeu o seu novo iPhone X quando foi ver o Rússia - Espanha, durante o Campeonato do Mundo de futebol de 2018, e acabou por ser vítima de phishing, uma técnica que consiste em obter informação pessoal através de métodos tecnológicos, depois de ativar a funcionalidade "Find my iPhone".

No blogue da empresa, o caso é relatado na primeira pessoa e é uma forma de alerta a todos os utilizadores para o novo perigo.

Depois de se aperceber que tinha perdido o telemóvel, a primeira reação da funcionária da Kaspersky foi ligar para o seu iPhone de um aparelho diferente. Do outro lado, alguém desligou o telefone segundos depois de começar o sinal de chamada. Foi aqui que percebeu que o telefone não estava perdido, mas que tinha sido roubado.

Foi também nesta altura que se lembrou da aplicação Find my iPhone. "Só precisava de ativar o Modo Perdido e rastrear o aparelho", conta. "Pode usar a aplicação para bloquear o dispositivo e ativar o Modo Perdido com a mensagem: 'este iPhone foi perdido. Por favor ligue-me". A mensagem com um número de contacto é enviada. "Pode ver ainda o telefone num mapa (se não estiver desligado)", acrescenta.

Mas, ainda sem saber, a situação não melhorou, bem pelo contrário, embora esta funcionalidade possa ajudar a recuperar um telemóvel perdido ou roubado.

"Sim, os incidentes de phishing fazem parte da minha rotina. Sim, escrevo todos os dias sobre os mais recentes cibercrimes e esquemas. Mas naquele momento eu estava em pânico e a agarrar qualquer oportunidade de recuperar o meu telefone, sem pensar no que estava a fazer"

Uma hora depois de ter ativado o Modo Perdido recebeu uma mensagem falsa dos serviços da iCloud. No texto era referido que o cartão SIM tinha sido identificado e remetia para o acesso a um link que daria ao utilizador a geolocalização do seu iPhone. Na ânsia de recuperar o telemóvel perdido, a funcionária da Kaspersky não olhou com atenção para a mensagem e fez o que era sugerido no texto. Conclusão: foi vítima de phishing e todos os dados de utilizador foram partilhados com os cibercriminosos, que assim puderam desbloquear o aparelho. O telemóvel voltou a funcionar, mas não nas mãos do seu proprietário.

"Sim, trabalho na Kaspersky e os incidentes de phishing fazem parte da minha rotina. Sim, escrevo todos os dias sobre os mais recentes cibercrimes e esquemas. Mas naquele momento eu estava em pânico e a agarrar qualquer oportunidade de recuperar o meu telefone, sem pensar no que estava a fazer", admitiu.

Acedeu ao falso link da iCloud com o seu login e a password, mas dava sempre erro. Voltou a tentar. Nova mensagem de erro. Voltou a olhar para a mensagem que tinha recebido e percebeu o erro que cometeu. "A SMS de phishing atraiu-me para um link falso da iCloud, no qual eu entreguei as minhas credenciais aos cibercriminosos", relatou. "Com os meus dados, eles imediatamente desativaram a função de pesquisa no meu dispositivo. Através do iCloud, eles também poderiam apagar todas as informações contidas no aparelho (tudo o que eles precisavam era o login e a password do iCloud que eu tinha acabado de lhes dar)".

Conta que depois de formatar o telemóvel roubado, os criminosos podiam ter um "iPhone X praticamente limpo, que poderia receber um novo PIN e ser revendido". Além de não aceder a link falsos, esta mulher aconselha as pessoas a ter uma autenticação de dois fatores.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."