Centeno dá bónus de 655 297 euros à administração da CGD

Conselho de Administração do banco liderado por Paulo Macedo vai receber remuneração variável relativa a 2017. Bónus será pago em parcelas até 2023.

O Conselho de Administração da Caixa, liderado por Paulo Macedo, vai receber um total de 655 297 euros em bónus relativo a 2017, quando chegou pela primeira vez aos lucros desde a injeção de capital recebida. A decisão, validada pelo governo, visto que o Estado é o único acionista do banco, e por Bruxelas, no verão, cumpre as regras de toda a banca europeia, tal como tem de acontecer desde que foi preciso que o banco público tivesse uma injeção de capital, no início de 2017.

Depois de cinco anos seguidos de prejuízos, a Caixa Geral de Depósitos lucrou 51,9 milhões em 2017, tendo mantido resultados positivos até ao mais recente trimestre, quando apresentou uma subida homóloga de 85% nos lucros, para 126,1 milhões de euros até março. No último ano completo, 2018, atingira já perto de 500 milhões de lucro.

Remuneração extra teve aval de Bruxelas. Leia aqui

Apesar de ser totalmente detido pelo Estado, o banco público está obrigado a atuar sob os princípios de gestão privada e em concorrência com outras entidades financeiras do espaço europeu.

Os prémios em numerário, do Conselho de Administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD), composto por oito membros, vão ser pagos em parcelas, sendo que 25% desse total foi entregue já em março deste ano. Outros 25% serão pagos em cinco prestações anuais iguais entre 2019 e 2023, de acordo com o relatório de gestão e contas referente a 2018 da CGD.

Leia o artigo completo no Dinheiro Vivo

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.