BCP não empresta mais dinheiro a clubes de futebol

Através da atualização do regulamento interno, o Millennium BCP, parceiro histórico do Sporting, vai deixar de financiar o futebol

Sob a liderança do novo presidente executivo, Miguel Maya, o Millenium BCP inscreveu no regulamento interno que não vai emprestar mais dinheiro a clubes de futebol, de acordo com a edição desta quarta-feira do Público.

A justificação prende-se com o facto do risco que acarretam, mas também por não estarem incluídos na sua atividade estratégica, escreve o jornal.

Aliás, esta medida já tinha sido uma das condições impostas pelas autoridades europeias aquando da presença da troika em Portugal. Em 2012, o banco pediu três mil milhões de euros de fundos públicos, através da linha da troika, e uma das condições das autoridades europeias era precisamente que a instituição bancária não aumentasse a sua exposição a clubes de futebol. Condições essas que foram levantadas em 2017, quando o banco liquidou a sua dívida ao Estado.

A decisão do BCP, um dos parceiros históricos do Sporting, em proibir o financiamento a clubes acontece numa altura em que o clube de Alvalade enfrenta problemas financeiros.

Segundo o Público, o BCP e o Novo Banco são os principais credores do clube de Alvalade, ambos com uma exposição de cerca de 150 milhões de euros cada. Em Setembro de 2017, as responsabilidades do Sporting perante terceiros atingiam 330 milhões de euros, sendo que 220 milhões eram dívidas da SAD do clube ao BCP e ao Novo Banco (cerca de 130 milhões em Valores Mobiliários Obrigatoriamente Convertíveis (VMOC) e os restantes 95 milhões de euros são empréstimos).

Recorde-se que a 30 de abril de 2018, o presidente do clube leonino, Bruno de Carvalho, revelou num artigo de opinião, publicado no DN, que o ativo da Sporting SAD ascendia a 287 milhões de euros.

Os VMOC são, lembra o Público, instrumentos criados no âmbito da reestruturação financeira da SAD que serão transformados em ações através de uma operação que retira os bancos do horizonte da SAD e coloca o clube com mais de 90% do capital.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.