Banca acelera no crédito à habitação

O valor dos novos empréstimos à habitação voltou a aumentar em novembro. Bancos concederam 822 milhões de euros.

Os bancos voltaram a aumentar o valor concedido em novos empréstimos à habitação. Em novembro concederam 822 milhões de euros em crédito para a compra de casa, segundo dados divulgados esta terça-feira pelo Banco de Portugal. É uma subida de cinco milhões face a outubro e de mais de 30 milhões de euros em relação a setembro. Já comparativamente ao mesmo mês de 2017 foram concedidos quase mais 50 milhões de euros.

Entre janeiro e novembro os bancos emprestaram mais de 8,9 mil milhões para a compra de casa, uma média de 812 milhões de euros por mês. É o valor mais alto desde 2010. O valor mais alto do ano foi atingido em junho, com o novo crédito a totalizar quase mil milhões de euros.

Apesar deste avanço no crédito concedido o ritmo da subida diminuiu desde julho, mês em que entraram em vigor as recomendações feitas pelo Banco de Portugal. O supervisor quer ver seguidos três limites. Um está relacionado com o montante do empréstimo face ao valor do imóvel. Nos novos créditos para compra de casa o crédito não pode exceder 90% da avaliação que foi feita. Se a casa for detida pelo banco esse limite pode chegar aos 100%.

Para prevenir situações de incumprimento, o Banco de Portugal quer também que o peso das prestações mensais com créditos (à habitação e/ou ao consumo) não ultrapasse 50% do rendimento. Essa taxa de esforço tem de ser calculada não só tendo em conta o valor dos juros na altura em que o crédito é contratado, mas também, "no caso de contratos a taxa de juro variável e mista, deve ser considerado o impacto de um aumento da taxa de juro", disse o Banco de Portugal.

Outra das medidas para diminuir o risco de incumprimentos no crédito é limitar as maturidades dos empréstimos. Não podem exceder um prazo de 40 anos na habitação e dez anos no consumo. O objetivo é uma "convergência gradual para uma maturidade média de 30 anos até final de 2022", indicou o supervisor.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.