Autoridade Tributária começa a cobrar quotas em atraso nas ordens profissionais

Na Ordem dos Advogados, estão por pagar cerca de sete milhões de euros em quotas

A Autoridade Tributária (AT) vai passar, já este mês, a ser responsável pela cobrança de dívidas de quotas em atraso em todas as ordens profissionais.

Desde 2013 que a Lei das Associações Públicas prevê que a cobrança destas dívidas seja feita pelo Fisco, o que passou a acontecer em 2015. No entanto, o processo tem enfrentado vários atrasos porque os estatutos da maioria das ordens profissionais não previam a atuação da AT, e as dívidas têm-se acumulado. Ainda assim, desde que começou a fazer esta cobrança, a AT já recuperou 1,4 milhões de euros para as ordens profissionais, explica o Jornal de Negócios.

Agora, a AT já tem instruções internas para começar em setembro a efetuar a cobrança, através de execução fiscal, em todas as ordens. É o caso da Ordem dos Advogados, que tem por cobrar uma dívida de cerca de 7 milhões de euros. Na Ordem dos Contabilistas Certificados a dívida ascende a um milhão de euros.

Guilherme Figueiredo, bastonário da Ordem dos Advogados, não esconde a sua satisfação com esta decisão: "Era uma coisa que estava prevista na lei e que nós já há muito tempo que pedíamos. Os tribunais não tinham competência para fazer esta cobrança mas a Autoridade Tributária nem sequer sabia que da existência deste problema. O problema é que durante muitos anos ninguém fez nada e a situação foi-se arrastando", explica ao DN o bastonário que está no segundo ano de mandato.

"Para além de recuperar o valor que está em dívida, isto é também um aviso de que as coisas estão a mudar na Ordem", diz Guilherme Figueiredo. "Antes, havia uns que pagavam e outros que não pagavam e não havia consequências, isso era uma grande injustiça."

Para já, este anúncio já fez com que muitos sócios regularizassem as suas quotas: "Já tivemos pagamentos de cerca de 700 mil euros feitos voluntariamente", revela ao DN o bastonário.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."