Autoridade Tributária começa a cobrar quotas em atraso nas ordens profissionais

Na Ordem dos Advogados, estão por pagar cerca de sete milhões de euros em quotas

A Autoridade Tributária (AT) vai passar, já este mês, a ser responsável pela cobrança de dívidas de quotas em atraso em todas as ordens profissionais.

Desde 2013 que a Lei das Associações Públicas prevê que a cobrança destas dívidas seja feita pelo Fisco, o que passou a acontecer em 2015. No entanto, o processo tem enfrentado vários atrasos porque os estatutos da maioria das ordens profissionais não previam a atuação da AT, e as dívidas têm-se acumulado. Ainda assim, desde que começou a fazer esta cobrança, a AT já recuperou 1,4 milhões de euros para as ordens profissionais, explica o Jornal de Negócios.

Agora, a AT já tem instruções internas para começar em setembro a efetuar a cobrança, através de execução fiscal, em todas as ordens. É o caso da Ordem dos Advogados, que tem por cobrar uma dívida de cerca de 7 milhões de euros. Na Ordem dos Contabilistas Certificados a dívida ascende a um milhão de euros.

Guilherme Figueiredo, bastonário da Ordem dos Advogados, não esconde a sua satisfação com esta decisão: "Era uma coisa que estava prevista na lei e que nós já há muito tempo que pedíamos. Os tribunais não tinham competência para fazer esta cobrança mas a Autoridade Tributária nem sequer sabia que da existência deste problema. O problema é que durante muitos anos ninguém fez nada e a situação foi-se arrastando", explica ao DN o bastonário que está no segundo ano de mandato.

"Para além de recuperar o valor que está em dívida, isto é também um aviso de que as coisas estão a mudar na Ordem", diz Guilherme Figueiredo. "Antes, havia uns que pagavam e outros que não pagavam e não havia consequências, isso era uma grande injustiça."

Para já, este anúncio já fez com que muitos sócios regularizassem as suas quotas: "Já tivemos pagamentos de cerca de 700 mil euros feitos voluntariamente", revela ao DN o bastonário.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.