Acordo entre ANA e governo permite avançar já com ampliação da Portela

É assinado esta terça-feira o acordo financeiro para a expansão da capacidade aeroportuária na região da capital. Aeroporto Humberto Delgado vai ter mais capacidade antes do Montijo estar pronto para a aviação civil.

O governo português e a ANA - Aeroportos de Portugal assinam esta tarde o acordo financeiro para a expansão da capacidade aeroportuária da região de Lisboa. Este aumento da capacidade vai traduzir-se na conversão de uma parte da base do Montijo num aeroporto civil, mas também num alargamento da capacidade da Portela, cujas obras vão arrancar em primeiro lugar.

"A estabilização das condições técnicas e financeiras do projeto permite à concessionária desenvolver um conjunto de ações que conferem maior capacidade de resposta do aeroporto Humberto Delgado, antes da data prevista para abertura do Montijo ao tráfego [2022], e nomeadamente já em 2019 e 2020", garante o gabinete de Pedro Marques, ministro do Planeamento e Infraestruturas. Entre essas medidas, está "o aumento da capacidade de movimentação e de estacionamento de aeronaves, que constituem dois dos principais condicionamentos atuais" do aeroporto de Lisboa. "Este acordo também cria as condições para que a concessionária desenvolva os projetos prévios para o Montijo".

O valor global do investimento não é ainda conhecido oficialmente, embora tenha sido noticiado que vai fixar-se em torno de mil milhões de euros. O governo tem garantido que a fatura não vai recair sobre os contribuintes, ficando a cargo da concessionária, a ANA, controlada pelos franceses da Vinci.

Impacto Ambiental

Uma das questões que tem feito correr muita tinta é o Estudo de Impacte Ambiental, cuja conclusão é necessária para que a reconversão da Base do Montijo em aeroporto complementar possa arrancar. A entrega do documento deverá ocorrer até ao final deste primeiro trimestre, de acordo com a previsão apontada nos últimos dias pelo presidente da Câmara do Montijo.

Pedro Marques garantiu já, na semana passada, que "ninguém fará um aeroporto sem cumprir integralmente todas as medidas de mitigação dos impactos ambientais que vierem a resultar da declaração de impacto ambiental". O gabinete do governante explica ainda que "o presente acordo [assinado esta terça-feira] contempla a integração das medidas mitigadoras do impacto ambiental que venham a ser definidas".

Lembra ainda que, além de no local existir já uma infraestrutura aeroportuária, há "um pouco por todo o mundo" aeroportos "implementados em zonas sensíveis, nomeadamente no que respeita à fauna. No caso do Montijo, esse é um aspeto que está a ser objeto de estudo rigoroso e exaustivo, o qual estará na base de um conjunto de medidas e estratégias". E explica a não realização de uma avaliação ambiental estratégica (AAE) com o facto de esta pressupor "uma análise de macro alternativas comparáveis, o que não é o caso".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?