"Governo quer mesmo é receita, não é travar o consumo"

Entrevista a António Menezes Rodrigues, presidente da ASFAC - Associação de Instituições de Crédito Especializado.

O crédito ao consumo não é um papão. Quem o diz é António Menezes Rodrigues, presidente da ASFAC - Associação de Instituições de Crédito Especializado, que tem 28 associados. O responsável sublinha que o discurso do governo é contraditório nesta matéria, e que, apesar de estarem a crescer, os níveis do crédito ao consumo estão longe dos verificados antes da crise financeira de 2007-2008. Em entrevista ao DN/Dinheiro Vivo, revela que a ASFAC vai preparar uma solução de cibersegurança, uma das suas maiores preocupações. Sobre a nova concorrência das fintech, é taxativo: tem de haver regulamentação.

que recear o crédito ao consumo?

Há que desfazer ideias preconcebidas, sobretudo de uma franja, que arranja azares da vida de alguns para criar uma bola de neve à volta do tema, completamente desproporcionada, sem qualquer fundo de veracidade. Falamos de crédito ao consumo e falamos de sobre-endividamento. Quando se faz uma compra a prestações, através de crédito, se a pessoa não tiver acesso ao crédito, não tem automóvel, porque nunca tem ali os 20 mil euros para o pagar. Se for colocada numa situação em que paga uma prestação mensal, com uma taxa de esforço perfeitamente aceitável e possível, vai conseguir. Até pode ser visto como uma forma de poupança forçada. Porque, se não tomar a decisão de comprar a prestações, não vai poupar esse valor.

Mas o aumento do crédito ao consumo não é um papão?

As nossas empresas passaram a crise e não houve insolvências, como houve em alguns bancos. Nenhuma entrou em colapso. O cuidado posto na concessão de crédito não configura um papão. Pelo contrário. Desempenhamos bem a nossa função. Estamos bem de saúde. Ainda não recuperámos para níveis anteriores à crise. Agora, o nosso governo anuncia a bondade das suas políticas. O produto interno bruto está a crescer. Isso instila nas pessoas confiança para passarem para padrões de vida que tinham anteriormente, ou que querem ter.

O crédito automóvel é o que mais sobe.

Sim. No período da crise, a venda de viaturas baixou drasticamente. É um produto muito sensível à conjuntura. As pessoas procuram o crédito para fazer compras: automóvel, coisas para o lar, serviços. Não é nenhuma novidade. Nada de preocupações. As nossas empresas promovem o crédito responsável. Não só é do seu interesse como são obrigadas a isso. Avaliam a qualidade do cliente para a obtenção de crédito, avaliam a sua taxa de esforço possível e concedem ou não o crédito. As recusas de crédito são muito elevadas.

Para 2018, prevê que continue o crescimento do crédito ao consumo?

Neste ano, por força do setor automóvel, vai crescer uns 5% a 6%. O setor automóvel é que está a crescer com bastante mais força. Neste ano, vamos crescer no crédito automóvel entre 15% e 18%. No próximo ano vai desacelerar mas admitimos que haja um crescimento da ordem dos 10%. Mas acredito que em 2018 o crédito ao consumo desacelere. O crédito a particulares, incluindo à habitação, crescerá moderadamente. Mas as coisas mudam. Há muita gente que vai querer comprar carro elétrico, que vai melhorar o emprego. Melhora o emprego, melhora o consumo, melhora o crédito. Isso é fatal como o destino. Tanto quanto percebemos do Orçamento do Estado para 2018, um dos fatores macroeconómicos que fazem o quadro orçamental para o crescimento é a procura interna. E a procura interna tem fortes pilares no consumo. E o consumo acontece com crédito ao consumo. Por outro lado, há uma preocupação de o crédito não ser canalizado para o imobiliário e consumo, diz o governo. Logo, o governo parece querer limitar o consumo. Mas isso é contraditório com o modelo macroeconómico que foi desenhado para as políticas públicas. O governo, de vez em quando, diz essas coisas. Mas o governo quer mesmo é receita, não é travar o consumo. E quando diz que o crédito deve ser direcionado para o investimento, isso é completamente dese- jável, mas mais uma vez há uma contradição.

Como está o processo da Autoridade da Concorrência contra a ASFAC por alegada cartelização? As questões estão todas sanadas?

Sim, resolvemos o problema. Connosco está tudo bem. Não temos qualquer tipo de cartelizações. O problema está todo resolvido. Já fizemos as publicações a que estamos obrigados. Estamos tranquilos. É um dossiê encerrado. Os bancos é que continuam com isso. E o nosso problema surgiu por causa dos bancos. E nós já resolvemos o problema e eles ainda o estão a discutir.

A nova concorrência das fintech é uma ameaça para as empresas de crédito?

Não é nenhuma novidade. Novidade são as criptomoedas, as bitcoins e companhia. As fintech são empresas que têm um aparelho tecnológico que lhes permite ter atividade sem presença física na rua. A novidade que implica as fintech é que uma empresa de direito finlandês pode operar em Portugal com a maior das tranquilidades. Todas as empresas e bancos vão evoluir para soluções tecnológicas. Mas as Google que há por aí podem fazer enorme concorrência. Agora, isso vai ter de ser regulamentado. A ASFAC está atenta para colaborar e influenciar os regulamentos. Se quiserem vir para aqui têm de se integrar. Não pode ser como a Uber e os táxis. Aqui tem de ser tudo igual.

Têm tido problemas com fraudes?

É negligenciável. Mas estamos muito preocupados com o tema da cibersegurança e vamos criar uma solução para as nossas associadas.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.