FairTube. Criadores unem-se em sindicato para pedir transparência ao YouTube

Com críticas duras às políticas da plataforma relativas à monetização dos vídeos, foi criado o primeiro sindicato de youtubers. Pelo caminho, conquistou o apoio do maior sindicato europeu.

O fenómeno tem ficado conhecido como Adpocalipse: a queda abrupta das receitas publicitárias dos vídeos no YouTube. A situação tem sido mais intensa nos últimos anos, com os criadores de conteúdos a apontar críticas à Google, dona do YouTube, pela falta de transparência nos critérios que levam a que um vídeo seja desmonetizado - impossibilitando a apresentação de anúncios e criação de receita.

A situação ganhou proporções de relevo quando youtubers com milhões de subscritores acusaram a tecnológica de não indicar de forma detalhada o que contribui para a desmonetização ou para a queda de visualizações. O alemão Jörg Sprave, criador do canal Joerg Sprave, dedicado a fisgas, é um dos críticos à atividade da plataforma de vídeo.

O canal deste alemão de 54 anos pode parecer um conteúdo de nicho, mas tem mais de dois milhões de subscritores e, ao longo dos anos, já gerou 328 milhões de visualizações. Sprave decidiu passar das palavras à ação e criou um grupo no Facebook, para juntar todas os criadores com o mesmo pensamento.

Quando percebeu que o problema era comum a milhares de pessoas, criou o sindicato dos youtubers e lançou a iniciativa FairTube. A campanha tem várias propostas, desde o acesso aos critérios de decisão que podem afetar a desmonetização dos vídeos, até um pedido de um ponto de contacto humano ou a oportunidade para contestar decisões que possam ter consequências negativas, como a queda de receitas publicitárias. São já 23 mil pessoas a fazer parte do sindicato.

A iniciativa ganhou projeção internacional com o apoio do maior sindicato alemão, o IG Metall. Apesar de ser um sindicato metalúrgico, é conhecido por atuar em várias outras áreas de atividade, desde que, em 2016, abriu as portas aos trabalhadores independentes, crescendo para 2,3 milhões de associados.

Six Silberman é responsável pelo projeto Crowdsourcing do IG Metall e explica que "definitivamente" deveria olhar-se com atenção para as profissões criadas pelas plataformas digitais e à forma como a tecnologia está a decidir quem recebe mais ou menos.

"Os operadores das plataformas, diretores de empresas, sindicatos e os legisladores devem desenvolver uma política comum para perceber como criar uma gestão algorítmica socialmente responsável ou isto vai ter efeitos negativos na economia".

A Youtubers Union e o IG Metall deixaram o ultimato à Google: se não respondesse ao pedido de negociação até ao dia 23 de agosto, avançaria com um pedido à União Europeia, para intervir na discussão. A resposta chegou a 26 de julho, mas o sindicato considerou a declaração vaga: "Estamos profundamente interessados no sucesso dos criadores", mas "os criadores de conteúdos para o YouTube não são empregados da plataforma, por meios legais", lê-se na declaração.

A Google convidou também o sindicato para uma reunião. "Ainda não está marcada uma data para o encontro, mas está a ser tratada. Vamos reunir com a gestão da Google e YouTube em Berlim. Os próximos passos vão depender da posição deles às nossas propostas", aponta Six Silberman.

Panorama em Portugal

Miguel Sabino, criador da Thumb Media, empresa portuguesa certificada pelo YouTube e que gere conteúdos audiovisuais nas plataformas digitais, reconhece que o panorama português não foge à regra e que "é necessário que o YouTube melhore a transparência no processo de desmonetização de um vídeo".

Reforçando que "os criadores de conteúdos precisam de saber com clareza que critérios contribuem para a desmonetização", o responsável da Thumb Media reconhece que a desmonetização é um tema muito comentado na comunidade portuguesa de youtubers, mas "até fevereiro de 2017, não tinha visto um único vídeo a ser desmonetizado".

Apesar de considerar que "este movimento de sindicalização dos youtubers não faz sentido porque não há uma relação empregador/empregado", Miguel Sabino acredita que é benéfico haver união entre quem trabalha no meio. "Faz todo o sentido que os criadores de conteúdos se unam por objetivos comuns e que falem a uma só voz. Vejo mais esse caminho pela via da associação e não pela sindicalização".

Texto publicado originalmente na edição impressa de Dinheiro Vivo

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?