Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Lista dos grandes devedores da banca foi publicada esta terça-feira pelo Banco de Portugal. Novo Banco é a instituição com mais exposição.

Não têm nome, mas acumulam dívidas. O Banco de Portugal revelou esta terça-feira uma extensa lista de quadros com os grandes devedores dos bancos portugueses. Das oito instituições que receberam fundos públicos, e que foram por isso escrutinados ao abrigo da nova lei, o Novo Banco é o mais exposto aos grandes devedores.

O banco que nasceu da resolução do Banco Espírito Santo em 2014 acumulava, a 30 de junho de 2018, uma exposição 4 471 milhões de euros aos grandes devedores. Deste montante, 3 488 milhões dizem respeito a crédito concedido. O restante é referente a participações em instrumentos de capital.

Em resultado, o banco constituiu imparidades no valor de 2 420 milhões de euros. As perdas efetivas, ou de muito difícil recuperação, ascendem a 3 542 milhões de euros.

A lista de grandes devedores de crédito do Novo Banco é composta por 33 "nomes", que à data de referência deviam, cada um, mais de 43,3 milhões de euros à instituição. No entanto, a lista poderá ser mais extensa, uma vez que as perdas assinaladas apenas dizem respeito aos cinco anos anteriores a junho de 2018. Entre os "nomes" que constam na lista, há três devedores que resultaram, cada um, em perdas superiores a 100 milhões de euros para o Novo Banco.

Caixa perdeu 542 milhões com um devedor

Já a Caixa Geral de Depósitos (CGD) totalizava, a 30 de junho de 2017, uma exposição aos grandes devedores de 2 859 milhões de euros. Deste montante, 1 675 milhões de euros dizem respeito a crédito e 1 184 milhões de euros são referentes a participações em instrumentos de capital.

Face às dívidas, a CGD constituiu imparidades totais de 1672 milhões de euros, a maior parte relativas à concessão de crédito. As perdas efetivas do banco estatal, que recebeu fundos públicos por seis ocasiões nos últimos 12 anos, totalizam 1910 milhões de euros. Deste montante, 1334 milhões de euros dizem respeito a perdas derivadas dos chamados créditos ruinosos.

À data de referência, a CGD contava com, pelo menos, 16 grandes devedores de crédito. O maior de todos tinha uma exposição original de 832 milhões de euros e resultou em perdas efetivas de 542 milhões de euros para a Caixa.

Leia as atualizações a este artigo no Dinheiro Vivo

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.