BCP não empresta mais dinheiro a clubes de futebol

Através da atualização do regulamento interno, o Millennium BCP, parceiro histórico do Sporting, vai deixar de financiar o futebol

Sob a liderança do novo presidente executivo, Miguel Maya, o Millenium BCP inscreveu no regulamento interno que não vai emprestar mais dinheiro a clubes de futebol, de acordo com a edição desta quarta-feira do Público.

A justificação prende-se com o facto do risco que acarretam, mas também por não estarem incluídos na sua atividade estratégica, escreve o jornal.

Aliás, esta medida já tinha sido uma das condições impostas pelas autoridades europeias aquando da presença da troika em Portugal. Em 2012, o banco pediu três mil milhões de euros de fundos públicos, através da linha da troika, e uma das condições das autoridades europeias era precisamente que a instituição bancária não aumentasse a sua exposição a clubes de futebol. Condições essas que foram levantadas em 2017, quando o banco liquidou a sua dívida ao Estado.

A decisão do BCP, um dos parceiros históricos do Sporting, em proibir o financiamento a clubes acontece numa altura em que o clube de Alvalade enfrenta problemas financeiros.

Segundo o Público, o BCP e o Novo Banco são os principais credores do clube de Alvalade, ambos com uma exposição de cerca de 150 milhões de euros cada. Em Setembro de 2017, as responsabilidades do Sporting perante terceiros atingiam 330 milhões de euros, sendo que 220 milhões eram dívidas da SAD do clube ao BCP e ao Novo Banco (cerca de 130 milhões em Valores Mobiliários Obrigatoriamente Convertíveis (VMOC) e os restantes 95 milhões de euros são empréstimos).

Recorde-se que a 30 de abril de 2018, o presidente do clube leonino, Bruno de Carvalho, revelou num artigo de opinião, publicado no DN, que o ativo da Sporting SAD ascendia a 287 milhões de euros.

Os VMOC são, lembra o Público, instrumentos criados no âmbito da reestruturação financeira da SAD que serão transformados em ações através de uma operação que retira os bancos do horizonte da SAD e coloca o clube com mais de 90% do capital.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.