BCP e dono do Novo Banco na corrida à filial espanhola da CGD

A filial espanhola é uma das três operações no estrangeiro que a Caixa se comprometeu a vender junto da Comissão Europeia.

O Millennium bcp e a Lone Star, dona do Novo Banco, estão entre as mais de 15 entidades que estão interessadas em comprar a filial espanhola da Caixa Geral de Depósitos (CGD). Com um lucro da atividade corrente de 26,3 milhões em 2017, o Banco Caixa Geral (BCG) Espanha é uma das três filiais que a Caixa se comprometeu a vender junto da Comissão Europeia no âmbito da injeção de capital de 3,9 mil milhões por parte do Estado.

O BCP, liderado por Nuno Amado, escusou-se a prestar comentários sobre um eventual interesse na aquisição da BCG Espanha. A Lone Star também não comentou, mas o DN/Dinheiro Vivo sabe que o fundo norte-americano não tem interesse no negócio.

A agência Lusa, que cita fontes do setor financeiro em Madrid, refere que entre as mais de 15 entidades que pediram informação adicional sobre a compra da filial espanhola da Caixa Geral de Depósitos estão o Abanca, EVO Banco/ /Apollo, Liberbank, Kutxabank e Unicaja.

Os assessores da operação, que começou há algumas semanas, são o Société Générale e o Caixa BI.

As instituições que quiserem avançar no processo têm até 19 de março para apresentar uma proposta não vinculativa. Além da filial espanhola, o banco liderado por Paulo Macedo comprometeu-se a alienar a operação da Caixa na África do Sul - Mercantile Bank Holdings Limited - e o Banco Caixa Geral - Brasil. A luz verde para a alienação destas operações foi dada pelo governo em Conselho de Ministros no dia 21 de dezembro de 2017.

Entre as operações internacionais da Caixa que estão para venda consta ainda a CGD Investimentos Corretora de Valores e Câmbio, no Brasil. Em 2017, os resultados de filiais da CGD detidas para venda somaram 83,6 milhões de euros.

Paulo Macedo afirmou, na última apresentação de resultados do banco público, em fevereiro, que os processos de venda das operações em Espanha e na África do Sul estavam lançados. A venda do Banco Caixa Geral - Brasil seria realizada mais tarde, até devido à dimensão da operação.

De acordo com o definido pelo governo, os processos de venda das três operações internacionais da CGD serão feitos por via da transmissão da totalidade ou parte das ações representativas das participações sociais detidas pelo banco no capital de cada uma das sociedades.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.