Banca acelera no crédito à habitação

O valor dos novos empréstimos à habitação voltou a aumentar em novembro. Bancos concederam 822 milhões de euros.

Os bancos voltaram a aumentar o valor concedido em novos empréstimos à habitação. Em novembro concederam 822 milhões de euros em crédito para a compra de casa, segundo dados divulgados esta terça-feira pelo Banco de Portugal. É uma subida de cinco milhões face a outubro e de mais de 30 milhões de euros em relação a setembro. Já comparativamente ao mesmo mês de 2017 foram concedidos quase mais 50 milhões de euros.

Entre janeiro e novembro os bancos emprestaram mais de 8,9 mil milhões para a compra de casa, uma média de 812 milhões de euros por mês. É o valor mais alto desde 2010. O valor mais alto do ano foi atingido em junho, com o novo crédito a totalizar quase mil milhões de euros.

Apesar deste avanço no crédito concedido o ritmo da subida diminuiu desde julho, mês em que entraram em vigor as recomendações feitas pelo Banco de Portugal. O supervisor quer ver seguidos três limites. Um está relacionado com o montante do empréstimo face ao valor do imóvel. Nos novos créditos para compra de casa o crédito não pode exceder 90% da avaliação que foi feita. Se a casa for detida pelo banco esse limite pode chegar aos 100%.

Para prevenir situações de incumprimento, o Banco de Portugal quer também que o peso das prestações mensais com créditos (à habitação e/ou ao consumo) não ultrapasse 50% do rendimento. Essa taxa de esforço tem de ser calculada não só tendo em conta o valor dos juros na altura em que o crédito é contratado, mas também, "no caso de contratos a taxa de juro variável e mista, deve ser considerado o impacto de um aumento da taxa de juro", disse o Banco de Portugal.

Outra das medidas para diminuir o risco de incumprimentos no crédito é limitar as maturidades dos empréstimos. Não podem exceder um prazo de 40 anos na habitação e dez anos no consumo. O objetivo é uma "convergência gradual para uma maturidade média de 30 anos até final de 2022", indicou o supervisor.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.