A cultura pop chegou aos CTT. Depois de Harry Potter, vêm aí os super heróis

As cartas não vêm de Hogwarts mas os selos já estão ao alcance dos Muggles. Os CTT lançaram uma emissão filatélica especial dedicada ao universo de Harry Potter.

A parceria com a Warner Bros., que detém os direitos da marca criada por J.K. Rowling, resultou em quatro selos, nos quais surgem as imagens não só do protagonista da série mas também de Hermione Granger, Ron Weasley e Lord Voldemort. Estão disponíveis 130 mil exemplares de cada selo.

A iniciativa dos CTT inclui também um bloco filatélico, de 50 mil exemplares, com outras personagens da saga: os professores Albus Dumbledore, Minerva McGonagall, Severus Snape e Rubeus Hagrid. Os fãs podem ainda colecionar outros quatro selos, cujas imagens correspondem às quatro casas de Hogwarts: Gryffindor, Slytherin, Ravenclaw e Hufflepuff.

Raul Moreira, Diretor de Filatelia dos CTT, explica ao Dinheiro Vivo que a incursão dos Correios pela cultura pop é uma estratégia para manter. O objetivo é "explorar novos mercados e chegar a novos públicos", nomeadamente o mais jovem. Em anos anteriores os CTT já tinham lançado "com grande sucesso" emissões de selos dedicadas ao Rato Mickey e à Guerra das Estrelas.

No caso da emissão dedicada à saga criada por George Lucas, a procura pelos selos bateu recordes, e não veio só de Portugal. Houve pedidos de fãs da saga a chegar "de todo o mundo", revela Raul Moreira.

"Estes são temas da cultura popular, que se enquadram nos nossos requisitos para a realização de emissões, falando a um público mais lato sem esquecer a nossa obrigação secular de divulgar o que de melhor se produz em Portugal e no mundo", ressalva o responsável.

Selos demoram nove meses a nascer

Com a coleção especial de Harry Potter, os CTT esperam "reforçar a venda de emissões e captar novos clientes, assim como mostrar a um público mais alargado a atividade da filatelia". Nesse sentido, já está a ser preparada a próxima coleção de selos "pop". "Estamos já a trabalhar numa emissão de Super Heróis para o próximo ano", revela Raul Moreira ao DV.

"Este universo acompanha também uma forte tendência de mercado, que se tem mostrado cada vez mais interessado na Cultura Pop, com eventos como a Comic Con", acrescenta o responsável. Na sequência do evento que arranca no próximo dia 12, a empresa prepara-se para lançar novamente uma carteira de selos dedicada ao evento, tal como já tinha feito no ano passado.

Estas emissões especiais são o culminar de um "processo complexo", admite o diretor de Filatelia dos CTT. "Há que negociar vários pontos, desde a utilização das imagens à divulgação dos textos, passando por diferentes momentos de discussão e aprovação. Em média os CTT começam a trabalhar numa destas emissões cerca de oito ou nove meses antes do lançamento".

Os CTT vendem em média 2,5 milhões de selos por ano só para colecionismo, sem contar com produtos especiais como, por exemplo, as carteiras do Sport Lisboa e Benfica.

jornalista do Dinheiro Vivo

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?