Sergio Ramos teve controlo antidoping positivo na final da Champions de 2017

A revista alemã Der Spiegel cita documentação revelada pelo Football Leaks sobre uma substância tomada pelo defesa espanhol. Real Madrid garante que não houve qualquer incumprimento

Sergio Ramos teve um controlo antidoping positivo após a final da Liga dos Campeões de 2917, na qual o Real Madrid venceu a Juventus por 4-1, noticiou esta sexta-feira a revista alemã Der Spiegel, apresentando documentação revelada pelo Football Leaks.

De acordo com os documentos citados pela revista, o capitão do Real Madrid acusou uma substância denominada dexametasona, que o médico do clube admitiu na altura ter sido administrada através de duas injeções, uma num joelho e outra num ombro. Essa justificação do responsável clínico dos merengues acabou por ser aceite pela UEFA.

Contudo, segundo a mesma fonte, esta não foi a única vez que Sergio Ramos infringiu as regras do controlo antidoping, pois em abril, após um jogo da Liga espanhola com o Málaga, o defesa apenas surgiu na zona do controlo depois de ter tomado banho, indo assim contra os regulamentos.

Entretanto, o Real Madrid já tomou posição sobre esta revelação e garante que o jogador "nunca incumpriu a normativa do controlo antidoping". Ainda assim, admite que "a UEFA solicitou informação pontual e encerrou o assunto imediatamente após a verificação dos próprios especialistas da agência mundial antidopagem e da própria UEFA".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.