Benfica torna fácil a visita à revelação Moreirense e volta ao topo

João Félix abriu caminho para a vitória deste domingo das águias em Moreira de Cónegos, por 4-0. Samaris, Rafa e Florentino Luís dilatam vantagem e recolocam equipa de Bruno Lage em primeiro lugar

Pela classificação do Moreirense, as menos de 72 horas de descanso após os 120 minutos frente ao Dínamo Zagreb e a pressão imposta pela vitória do FC Porto na véspera, esperava-se uma deslocação difícil do Benfica a Moreira de Cónegos. Porém, a águia tornou fácil o encontro deste domingo e recolocou-se no topo da classificação, em igualdade pontual com os dragões mas vantagem no confronto direto.

Quem acompanha a I Liga sabe que este Moreirense de Ivo Vieira é uma equipa de autor, arrojada no futebol praticado, com intérpretes de qualidade, não perdia em casa há 10 jogos e tinha marcado em todos os encontros anteriores da segunda volta do campeonato, mas desta vez não conseguiu, no mínimo, discutir o resultado com os homens de Bruno Lage.

É verdade que houve um golo anulado a Bilel (21') que promete fazer correr alguma tinta, pela impossibilidade de conferir a 100 por cento a sua invalidade, mas o Benfica esteve quase sempre por cima. Aos dez minutos, já levava dois remates perigosos, por Pizzi (3') e Rafa (9'), aos quais se somou um golo anulado a Jonas pouco depois da meia hora, por fora de jogo de Pizzi (31').

João Félix mostra como se faz

Se os dois alas internacionais portugueses, apesar da experiência, foram perdulários na cara de Trigueira, João Félix revelou-se certeiro, voltando a definir com grande categoria após atacar o espaço nas costas do central Ivanildo (emprestado pelo Sporting). Com 19 anos e quatro meses mas a frieza de um veterano, voltou a não tremer à boca da baliza e somou o 10.º golo na I Liga.

Cinco minutos depois, aos 43', Samaris saltou mais alto do que toda a gente na sequência de um canto executado por Pizzi e fez o 2-0, dando mais tranquilidade aos encarnados.

O Moreirense tentou responder no início da segunda parte, promovendo uma dupla alteração - saídas de Bruno Silva e Fábio Pacheco, entradas de D'Alberto e Ibrahima - que visava dotar a equipa de mais capacidade ofensiva, porém, acabou por sofrer o 0-3 que praticamente matou o jogo. Rafa apareceu nas costas da defesa minhota, servido por Jonas, e picou a bola sobre Trigueira (48').

A partir de então, o Benfica procurou controlar o jogo com um ritmo mais baixo e em zonas mais recuadas, Bruno Lage fez descansar os desgastados Pizzi, Gabriel e Jonas e ainda deu para a estreia a marcar de um menino da formação: Florentino Luís, a aproveitar uma bola perdida na sequência de um canto (83') para estabelecer o 0-4 final.

Ficou vingada a derrota da primeira volta na Luz, onde o Moreirense foi surpreender e vencer por 3-1.

Taco-a-taco com vantagem encarnada

Benfica e FC Porto entram nos derradeiros dois meses de campeonato em igualdade pontual. Caso assim se mantenha até ao fim, serão os encarnados a festejar a conquista do título, uma vez que o principal critério de desempate no final da prova é o "número de pontos alcançados pelos clubes empatados, no jogo ou jogos que entre si realizaram". As águias, recorde-se, venceram ambos os confrontos com o FC Porto, 1-0 em casa e 2-1 no Dragão. Ou seja, somaram seis pontos contra zero dos azuis e brancos nos jogos realizados entre eles.

Porém, convém lembrar que as regras da Liga para definir a classificação antes do final do campeonato são outras. Em primeiro lugar, a "maior diferença entre o número dos golos marcados e o número de golos sofridos pelos clubes nos jogos realizados em toda a competição", critério em que o Benfica leva atualmente vantagem, com um saldo positivo de 49 golos contra 38 do FC Porto. Caso as equipas estivessem empatadas nesse parâmetro, ficaria à frente a que tivesse "maior número de vitórias em toda a competição" - 20 contra 20 de momento - e, se o empate ainda vigorasse, o "maior número de golos marcados em toda a competição".

Por outras palavras, se Benfica e FC Porto ganharem os oito jogos que lhes restam, os dragões ainda poderão aparecer em primeiro lugar no decorrer do campeonato se ultrapassarem as águias na diferença entre golos marcados e sofridos, mas nunca quando a jornada 34 ficar fechada.

Tondela (casa), Feirense (fora), Vitória de Setúbal (casa), Marítimo (casa), Sp. Braga (fora), Portimonense (casa), Rio Ave (fora) e Santa Clara (casa) é o que falta disputar aos homens de Bruno Lage. Sp. Braga (fora), Boavista (casa), Portimonense (fora), Santa Clara (casa), Rio Ave (fora), Desp. Aves (casa), Nacional (fora) e Sporting (casa) é o que sobra jogar aos de Sérgio Conceição.

Figura: João Félix

Mais um recital do jovem prodígio encarnado, que dois dias antes ficou a saber da convocatória para a seleção nacional. Com pormenores de classe aqui e ali, foi vagabundeando no último terço do campo e voltou a mostrar que não treme na cara do guarda-redes adversário. Frio como um cubo de gelo, olhou para o posicionamento de Trigueira e escolheu o melhor sítio para colocar a bola, abrindo caminho para uma vitória que se tornaria fácil e folgada.

Ficha de jogo

Jogo no Estádio Comendador Joaquim de Almeida Freitas, em Moreira de Cónegos.

Árbitro: Nuno Almeida (Associação de Futebol do Algarve).

Assistência: 5.510 espetadores.

Moreirense: Trigueira, João Aurélio, Halliche, Ivanildo, Bruno Silva (D'Alberto, 46), Fábio Pacheco (Ibrahima, 46), Ângelo Neto, Arsénio (Nenê, 60), Bilel, Pedro Nuno e Chiquinho.

Treinador: Ivo Vieira.

Benfica: Vlachodimos, André Almeida, Rúben Dias, Ferro, Grimaldo, Samaris, Gabriel (Florentino, 78), Pizzi (Gedson, 73), Rafa, João Félix e Jonas (Cervi, 85).

Treinador: Bruno Lage.

Marcadores: 0-1, João Félix, 37 minutos; 0-2, Samaris, 43; 0-3, Rafa, 48; 0-4, Florentino, 83.

Disciplina: cartão amarelo para João Aurélio (06), Fábio Pacheco (36), Ivanildo (62) e Bilel (90).

Veja o resumo do jogo

Filme do jogo

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?